domingo, 29 de janeiro de 2017

Gripe A, B, C, D,...

Um gripe do demo deitou-me ao chão tipo pugilista desenfreado! Estou KO, literalmente! Dores de ouvidos, febre, dores no pescoço e cabeça, tosse, muita tosse, ranhoca, ... Filha da mãe de uma gripe que me arrasta para a cama desde quarta-feira à tarde! Um bem-haja imenso à minha mãezinha que se mudou de malas e bagagens para pôr termo ao caos em que a minha casa se encontrava e dar-me canjinha, cházinho e chocolatinhos... Desta gripe com nomenclatura alfabética retiro aquilo que retiro de tudo o que a minha vida me dá: Amor!

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

O meu colo é teu

Depois de deixarmos o irmão na escola, ela começa a queixar-se que lhe dói o ouvido. Reconheço-lhe a manha, o cansaço, a necessidade de colo e hoje, só por hoje, cedo-lhe à vontade e poupo-a ao afamado discurso acerca da importância da escola. Hoje, só por hoje, rumamos a casa juntinhas, voltamos a vestir os pijamas e acendemos a lareira num aconchego que é só nosso. 

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Madalena - "A professora de substituição perguntou quem tinha uma mãe galinha e levantaram todos o braço menos eu!"

Eu-"...mas, mas, mas...não me achas uma mãe galinha?????" (wtf, criatura de Deus???? Então anda aqui uma gaja no esforço, na pedagogia e vem esta criancinha e não valoriza, ai tu queres-me ver!!!)

Madalena - "Pois, a professora também achou estranho (agora também era só o que me faltava, agora tenho a professora a achar que eu sou uma negligente do pior!), mas ela diz que uma mãe galinha é uma mãe preocupada e eu expliquei-lhe que tu não és preocupada, és risonha, feliz e muito descontraída!..."

Eu - "Mas tu achas que a mãe não se preocupa contigo????!!!!" (ai que eu estou aqui com uma dor no braço direito, ai que eu estou aqui com um tremor no olho, ai que isto é um ataque cardíaco, ai socorro!....)

Madalena - "Acho!"

Eu - "Mas porque é que dizes isso?" (vá lá, espeta-me farpas mesmo no meio deste meio coração frágil e despedaço de mãe injustiçada, filha do demo!)

Madalena - "Porque uma mãe preocupada é uma mãe muito stressada, sempre com pressa, sem ter tempo para os filhos. É preocupada com os problemas, e tu não és isso! ... "

Eu - "Ahhhhh! Agora percebo, para ti uma pessoa preocupada é uma pessoa com preocupações. Então eu não sou preocupada, sou interessada!" (diz que sim, diz que sim, diz que sim,....)

Madalena - "Sim, és interessada! E depois olha, também não gosto de galinhas, por isso não gosto da palavra mãe-galinha!"

E pronto, em nano segundos o coração de uma mãe parou, ressuscitou e voltou à euforia! Parvos dos cachopos sempre a testar a máquina a uma pessoa!

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Frio ... gosto de tu!

Adoro frio (mais um facto estranho acerca da minha pessoa) e ando felicíssima com este tempo. Eu e o meu filho que, sendo a minha descendência, consegue adorar esta época do ano tanto quanto eu. O campo potencia ainda mais esta nossa adoração e de facto esta casa tem tudo alinhado para esta equação resultar, é a lareira, o sofá voltado para uma janela imensa com vista para os campos cobertos de gelo, o cobertor e os cães sentados aos nossos pés, o chá de poejo acabo de colher e o bolo de laranja saído do forno... E roupa, muita roupinha para cobrir tanta caloria!! 


quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

A selecção natural que a vida se vai encarregando de fazer ...

É certo que sou demasiado naif para os meus  40 anos. É certo que sou demasiado optimista e que deposito francas expectativas em tudo o que faço na vida. Espalho-me ao comprido quando se tratam de relações humanas. As relações humanas são francamente o meu calcanhar de Aquiles. Lixo-me bem lixadinha porque espero a mesma retribuição, o mesmo tratamento, o mesmo empenho, o mesmo abraço. Também sei que sou uma privilegiada e que ao longo da minha vida fui bafejada por um santo porreiro que me tem posto no caminho gente à maneira e que não me desilude. 
Depois vem a vida, com as suas particularidades e lá vai mostrando em que gaveta cada pessoa está. Metes tudo na gaveta das pessoas de bem e...tau! entalaste. Ficas meia azamboada, coisa que é normal de quem acabou de ser entalada por uma gaveta, mas a vida volta, para te fazer seguir em frente, fechar as gavetas todas e mostrar-te a lei da compensação, que é como quem diz abre-se a gaveta das pessoas verdadeiramente confiáveis, os durões a quem chamamos verdadeiros amigos, aqueles cujos abraços se entranham na epiderme e que não se poupam na dureza das palavras, se assim for preciso.
Hoje foi dia de arrumações!




segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

. . .

Pessoas de todo o mundo respondei ao meu apelo: ainda falta festejar algum Natal em mais alguma parte do mundo? A esfera mundial e religiosa já celebrou toda o nascimento de Jesus ou ainda há alguém a festejar? É que não começo a dieta enquanto as festividades decorrerem e ainda este fim de semana celebrei o Natal com os russos (arranjam com cada desculpa!) com mais umas jantaradas e uns brindes e estou aqui a questionar-me se em toda a humanidade não há mais nada que me mereça um copaço e uma rabanada. Partilhem por favor, que eu não quero deixar ninguém de parte e isto das festas só durarem um mês custa-me muito!

Madalena escamoteia a questão prática da morte

 - "A jornalista disse que o Mário Soares foi internado antes do Natal ... achas que chegou a receber presentes?!"

E pronto, no fundo é isto, esta parte muito prática da logística Natal-presentes-morte para uma criança de sete anos, para quem pouco interessa o que foste ou o que fizeste, mas sim se foste verdadeiramente feliz no Natal!

(e já agora, disse-lhe que sim, que o senhor recebeu presentes no hospital porque o Jesus e o Pai Natal sabem sempre onde estamos e que ficou seguramente muito feliz!)

sábado, 7 de janeiro de 2017

Às mentes iluminadas da reforma educativa

Sois ou loucos ou profundamente optimistas, duas particularidades que se chegam a tocar porque é preciso ser-se muito dotado de optimismo para acreditar que crianças com sete anos possuam capacidade intelectual para compreender e encontrar paralelismo prático em rectas, intersecções, uniões, segmentos, eixos... E muito louco para acreditar que tudo isto é exequível sem termos de recorrer a psicofármacos (os pais e as criancinhas!). 
Neste momento, estou eu, que até tenho um curso superior, e o meu filho, que frequenta o 11º ano na área científica, às voltas com a matéria de matemática de 2º ano, para explicarmos de uma forma prática a dita à minha filha de sete anos. Eu já fui ao google e o meu filho garante-me que isto é matéria de 2º ciclo. 
Posto isto concluo: sois anormais, gente pouco provida de conhecimento na área da educação, mais especificamente na área do desenvolvimento humano. Gente que apresenta um profundo desrespeito pela condição que é ser criança, zero respeito pelo direito a brincar, a apanhar ar puro, a levar com vento na cara sem a preocupação de ter de estudar da página 65 à 76 no fim de semana. 
E nem pensem que me apanham enfiada em casa a estudar com esta desgraçada desta criança à custa das vossas merdas, é que não mesmo!

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Madalena by night

Primeiro acolheu com grande entusiasmo o menu do jantar: açorda alentejana de bacalhau. Depois já não era bem aquilo que queria porque estava muito cansada e queria uma comida mais ligeira "pode ser uma bifana no pão". Mas entretanto foi acometida de uma coceira doida, a urticária típica de quem está irada de sono. Já não queria comer, não queria beber, muito menos lavar-se e vestir o pijama. Por fim, sentou-se à mesa. Já com higiene feita e pijama vestido. Mordiscou a bifana, disse que a água sabia mal e que o pão era demasiado rijo para os dentes dela... Eu? Assisti a tudo de camarote, não movi uma palha nem gastei uma gota de saliva e deixei que o pai arbitrasse o duelo, é que se há homem com capacidade para lidar com as indecisões e irritabilidades femininas é este senhor. 

. . .

Madalena preocupada com a notícia do falecimento do George Michael:

"Mano, nas notícias dizem que ele desapareceu... se calhar ainda o vão encontrar!"

"Está bem visto, mas os jornalistas estavam a referir-se à morte dele"

"Coitado, tenho imensa pena dele que morreu sem abrir os presentes!!!"

Então, bora lá a isto!

Em primeiro lugar quero pedir desculpa por não ter passado aqui para desejar umas boas festas. (shame on me!). Explicar-vos depois que os motivos foram da maior nobreza: a dedicação em exclusivo às minhas crias e ao meu ninho que urgiam de atenção, mimo e muito amasso. Tudo prioridades na vida às quais não devemos nem podemos negligenciar.
Vai daí já estamos em 2017. E as minhas palavras para 2017, neste Dia de Reis, é que seja meiguinho, que seja do bem, que se inspire nas minhas gargalhadas e flua sem mágoas nem maldade. Sobre 2016 recordo o que Rui Maria Pêgo dizia no Instagram "2016 não foi um ano...foi um tractor", e no fundo isto resume tudo!
Por isto, para este novo ano dou-lhe a frase de comando: bora lá pra frente que atrás vem gente!