terça-feira, 26 de setembro de 2017

Coisas que descobres na vida campestre

Os tractores têm buzina!
Sim, caros cosmopolitas, para mim também era uma novidade, até estar a sair do portão em marcha atrás a sintonizar o rádio, a pôr o cinto de segurança e a relembrar as crianças se as mochilas estavam todas presentes (multitasking, senhores), Vai daí ouço um som que se assemelhava entre o apito de um comboio e o alarme de casa ... era um senhor agricultor muito atento que no seu íntimo e vá, na expressão facial também, me chamava um bando de nome.
Obrigada seu fofo querido, por me poupar a tamanha angústia logo assim pela manhãzinha!

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Autárquicas...queridas e doces autárquicas... essas bençãos milagrosas que fazem com que subitamente aquelas amizades meio esfumadas regressem das catacumbas e de repente, assim do nada, passes a ser acolhida com grande fervor à porta da escola, no supermercado, na peixaria, na secção dos pensos higiénicos,..."olá querida, há quanto tempo...!" e tu pensas para contigo "esta gente anda a fumar coisas estranhas, então mas ainda a semana passada mal me acenava!...".
E vai daí ocorre-te que viste a fotografia daquela alminha num cartaz e faz-se luz nessa imensidão cerebral... andamos na caça ao voto!
Mas depois quando tudo isto te parece ridiculo, surgem convites para jantar onde o final do tema acaba com um "mas vais votar em mim, não vais?!" e aí a tua vã esperança na humanidade vai-se, juntamente com a tua imensa ingenuidade de acreditares que as pessoas são verdadeiras e agem naturalmente, sem segundas intenções!
Autárquicas...queridas e doces autárquicas... que revelas o melhor que o ser humano tem!

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Mada ... pequena Lúcifer

Marchei as temporadas do Lúcifer na Netflix e encontrei sérios paralelismos com a minha filha:

- "Quando eu for adolescente não vou ser nada como o mano... calmo, sossegado,... não faz nada o meu género!"

(a vermos o filme Divertidamente pela enésima vez)
-"A personagem com que mais me identifico é a Repulsa! (segue-se um suspiro) Adoro as pestanas, a roupa e a maneira de andar super estilosa! Tu (dirigia-se a mim) és a Alegria, mas também te digo, deve ser uma canseira andar sempre assim como vocês andam sempre alegres!"

De maneiras que é isto: eu sou a Deusa das Deusas que pari a Princesa das Trevas. Belzebu, Samael, e o raio que a parta. É esta a minha vidinha ao lado de uma gaja cujo objetivo é levar-me diariamente ao inferno!

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Vamos lá analisar o fenómeno do "flamingo insuflável"

Ando arredada das redes sociais, não de forma consciente ou planeada, mas acho que estou numa fase em que só o Instagram me cativa (talvez porque sempre gostei imenso de fotografia) e a leitura rápida e simples da mesma não canse. Pelo facto, não faço ideia se já se descortinou sobre este fenómeno do"flamingo insuflável" que me merece particular atenção. Então não é que de repente, é ver matulões e boazonas, mães de família e a empregada do quiosque todas eles untados em óleo johnson a cavalgar um desgraçado de um flamingo gigante. E toda a gente tem de o fazer, porque quem não o fizer não está in. Depois do bicho seguem-se melancias, ananases, gelados e toda uma cadeia alimentar do insuflável. Vale tudo, pilhar criancinhas, bóias, braçadeiras, barcos, piscinas de bebés,...tenho para mim que este verão vale tudo para a foto perfeita!
Pessoas, desde já fica o aviso, a mim é que não me apanham, só a ideia de subir para cima de uma bóia (o flamingo não passa disso, certo?!) e ficar ali eternidades com o rabo espetado e a cabeça debaixo de água enquanto os meus filhos me empurram e chamam reforços porque não podem comigo e depois rebolo para o lado errado e caio novamente na água... chega, já dei para esse peditório no verão de 2000. 

terça-feira, 27 de junho de 2017

Vim só fazer prova de vida

Estou benzinho. A Mada fez oito aninhos, continua com o feitio com que Deus a gracejou (mas já nos afeiçoámos à garota o que é uma maçada), passou para o 3º ano, trocou a equitação pelo hip-hop e está mais feliz do que nunca. O Joãozinho está a caminho do 12º ano (não sei se me benza ou se corte os pulsos) e anda às voltas com os exames nacionais e a maioria dos amigos já tirou a carta de condução (e de cada vez que vejo um deles dentro de um carro a conduzir, a gritar "tiaaaa" e a acenar, finjo que não os vejo porque a mim ninguém se atreve a dar-me mais de trinta anos sem que lhe parta um dentinho!). O meu marido foi operado a um sinal na barriga por suspeitas de melanoma (graças a Deus não passou de um susto) contudo o dermatologista tratou de esventrar o homem tirando mais de metade da barriga (como homem que é, diz que ainda hoje sente uns pontos interiores a mexerem-se, como se tivessem vida própria...haja pachorra! gramasse ele com uma cesariana que eu queria ver!).
E pronto assim de repente e no espaço de cinco minutos que a minha estonteante vida mo permite é tudo. Aguardem por breve laivos de loucura, que eu quero ver se me disciplino e ponho o barraco em ordem. Beijo gostoso!

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Festival da Canção 2017

À custa do Salvador Sobral (para quem vai uma vénia do tamanho do mundo) os meus putos tomaram contacto com a famosa e mítica canção/genérico do Festival da Canção. E ali estivemos em loop a ouvi-la até eles se fartarem. Ai Sobralinho, o que fizeste por nós não tem preço! Vai-te a eles, caraças!

Limão, o garanhão

A dias da vinda do Papa Francisco a Portugal aguardo intervenção divina cá em casa. Sim, bem sei que não devia brincar com coisas sérias, mas a verdade é que se uma qualquer divindade pudesse intervencionar junto da libido do meu Limão esta família era tão feliz! O cenário é o seguinte: eu tenho duas cadelas, ambas com o cio e, vai-se lá saber porquê (really??), o canito não as larga. Como elas são gigantescas e ele ainda não domina a anatomia, é ver o coitado a ganir meio tempo e a uivar  outro restante entanto tenta trepar para a boca delas!! (não perguntem... ou é fetiche ou tem a haver com a nossa lacuna na educação sexual do rapaz!). Ora a isto sucedem noites e dias nesta lamuria em que o jovem não deixa ninguém dormir. Sim, que o gajo é pequeno mas chega para aviar as duas!
O primeiro alerta veio dos meus pais a quem nós pedimos para ficarem a cuidar da casa para nós tirarmos umas mini-férias, a minha mãe ainda escapou porque meteu uns comprimidos para dormir no bucho, mas o meu pai andou azambuado o tempo todo. Quando regressámos o cenário continuou e tem sido um desespero constante. Tenho para mim que pequeno Limão vai à faca, sem conhecer os prazeres da carne. Temos pena, mas entre isso e a loucura a que estamos todos a avistar ... parece-nos uma solução a considerar!
Sim, bem sei que antes de o adoptar devia ter tido isto em conta, mas na altura só queria mesmo era dar-lhe um lar, relembro que a ex-dona dele engravidou e depois já não o quis mais! (fofa!!) e nem pensei neste pequeno grande pormenor de diferença de género que me viria a atormentar dias e noites sem fim! Há por aí algum santo dos animais que acorra a situações destas? Agradecida!

terça-feira, 9 de maio de 2017

Eu, os meus dedos e as redes sociais: um azar nunca vem só!

Eu sou aquela pessoa que clica um like na foto do primo da amiga e depois não o consegue tirar.
Eu sou a pessoa que pelos vistos pede amizade a pessoas nunca antes vistas e só dá conta quando recebe a notificação de que muito gentilmente a criatura acabou de se amigar comigo.
Eu sou a pessoa cujos dedos grossos e pesados bloqueia teclas e reencaminha os mais disparatados posts.
Eu sou a pessoa que, em plena crise de insónia, decide ignorar toda esta probabilidade para o desastre e ainda assim vai para as redes sociais passear os seus acidentais dedos.
Eu sou a pessoa que, por este caminho, estou a curtos passos de ser bloqueada por pessoas de bem que do outro lado do ecran pensam (e com toda a propriedade) "mas esta gaja agora põe-me likes na foto do meu Toino Manel porque carga de água!?"

Pessoas, a vós peço perdão. A culpa são destas ganfias a que chamo de dedos e que mais parecem que estão a lavrar. Quando menos espero já a coisa se deu e eu já carreguei onde não devia e depois na tentativa de emendar carrego ainda em mais botões e a merda vai aumentar qual etar descontralada.
Desculpem lá qualquer coisinha!

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Enquanto espernear estou viva!

Sempre lutei pelos outros, fossem por causas, por pessoas com nome e rosto, por ideais, valores, princípios. Nunca lutei por mim. E admitir isto é assim uma misto de vergonha com cobardia é verdade, mas foi preciso bater bem fundo, para me darem a mão, me enxugarem as lágrimas e dizerem: "isto vai doer, mas a luta agora vai ser por ti!". E assim tem sido. Estes últimos meses têm sido dos mais duros da minha vida, mas ganhei uma certeza: a vida pode dar as voltas que der, pode-nos separar, pode-nos fazer tomar rumos diferentes, mas neste momento, meu Deus, és o melhor companheiro que eu poderia ter. Obrigada pela protecção! E sim, esta é uma declaração de amor!

Ó pá... desculpem lá qualquer coisinha!

Então não é que até parece que há gente que gosta da insanidade que povoa este burgo e que me escreveu a perguntar se aqui o hospício já tinha fechado? Ah suas coisas mais fofas!! Não!!!! Nada temeis. Andei com as minha crias atreladas (essas putas dessas férias que pareciam que nunca mais acabavam) e entediei ao ponto de não conseguir ter força sequer para teclar.
Pois que regressada, mas não revigorada (entenda-se) cá estou eu: ó pra mim! Com uma neura do caraças porque como se não bastasse todo o contexto "férias escolares" comprámos um teclado ao mais velho para que o gajo pudesse fazer um up-grade nos jogos on line, mas que depois para escrever vejo-me grega porque desconfigura tudo, os acentos não são no sítio certo, as pontuações também não, de modos que ando aí a apanhar bonés com este c#$%lho deste teclado. Pronto é isto, conforme, podeis atestar, continuo na mesma: desbocada, sem filtro, pouco convencional, feliz que só eu!

Mas pronto, estas férias deram para descobrir uma novidade: os putos abeiram-se de mim em modo supermercado. Passo a explicar: quando se queriam fazer ouvir cada um punha o dedo no ar, mas isso já não estava a resultar porque depois eu via um e depois o outro ainda não tinha terminado e voltava a pôr novamente o dedo no ar e quando passava a vez do outro já o tema não fazia sentido ou o pobre coitado se tinha esquecido. Vai daí eles criaram o método supermercado que consiste basicamente em porem-se atrás de mim, tipo fila de supermercado. Parece simples. Mas não, não é. Primeiro porque não há caixas prioritárias e a Madalena quer evocar o direito à prioridade e depois porque significa que eles andam literalmente atrás de mim. Mesmo. MESMO!!!! Aí eu tenho de definir um tempo para o atendimento e não há como passar à frente do cliente. O pior: é que até o meu marido já se mete na fila!!!!

Querem mesmo que vos volte a explicar o motivo da minha ausência no blogue? Ah, bom!!

quinta-feira, 9 de março de 2017

Manter a distância de segurança

A vida dá umas voltas tremendas e precisas de estar muito atento para que possas retirar ensinamentos das experiências, sejam boas ou más, por que passas. Assim o faço e procura cada vez mais que assim o seja. Este conhecimento interior que me leva tantas e tantas vezes a um detox emocional. Ao ler o blog da Sofia de Castro Fernandes não podia concordar mais com isto:

« mantém uma distância de segurança de pessoas tanto-faz, de pessoas temos-que-combinar-qualquer-coisa, de pessoas estava-se-mesmo-a-ver-que-isso-não-ia-correr-bem, de pessoas eu-bem-te-avisei, de pessoas a-mim-tudo-acontece, de pessoas a-culpa-não-é-minha, de pessoas o-problema-não-és-tu-sou-eu, de pessoas vai-se-andando, de pessoas se-a-minha-vida-fosse-mais-fácil, de pessoas-que-te-trazem-um-problema-para-cada-solução, de pessoas eu-nunca-me-arrependo-de-nada, de pessoas eu-sou-como-sou-e-não-vou-mudar, de pessoas tu-é-que-sabes, de pessoas depois-não-venhas-para-cá-chorar, de pessoas-se, de pessoas-mas, de pessoas-talvez, de pessoas não-sei, de pessoas-nó. mantém uma distância de segurança de pessoas que só passam pela tua vida para te ensinar a não ser como elas. » 

. . .

Sábado de manhã, no mercado:

Pai - "Mada, cheira estas especiarias. Respira, absorve os cheiros e diz-me o que é que vais reconhecendo!"

Madalena (logo muito pronta) - "Funcho!!!"

Pai - "Que espectáculo. Conseguiste identificar à primeira!"

Madalena - "Não! Está ali escrito «Funcho»!"

quinta-feira, 2 de março de 2017

Bem-vindos 41!

E pronto, num piscar de olhos já cá moram 41 frescos aninhos!
O último ano deixou mossas valentes e foi duro, muito duro! Mas a verdade é que nós aprendemos com as nossas experiências (mais fácil seria se aprendêssemos com as dos outros, mas catano, não seria a mesma coisa!) Resta-me portanto desejar que persista com esta minha mania de ser feliz e a propague para os que me rodeiam, como se de uma religião se tratasse.

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Mais uma voltinha

São seis da tarde. Olho para o céu e parece-me tudo tão bonito, aperto a mão do meu homem e digo num tom melancólico "Olha, hoje está lua cheia!" ... e da imagem romântica e apaixonada de uma lua dos amantes solta-se uma gargalhada "Obrigada por existires, porque sem ti isto não tinha piada nenhuma...é que aquilo é o sol a pôr-se!!!"


Pró infinito e mais além, meu grande Amor!

O meu filho fez ontem 17 anos! 17 anos! Qualquer consideração sobre ele seria pequena comparada com a grandiosidade de ser que ele é. Qualquer apontamento ficaria muito aquém daquilo que sinto. Por isso limito-me a agradecer (muito, muito, muito) todos os dias por ter a oportunidade de ser tua mãe e peço a todos os santinhos que sejas estupidamente feliz. És a prova do amor no seu estado mais puro. Amo-te tudo e sempre meu querido ... pro infinito e mais além!

Foto de João Laureano.💗

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

E pronto, é isto!

Madalena - "Mãeeee, quero tantoooo ir ao circo!"

João - "Para quê mana?! A nossa casa é igual e não tens de pagar bilhete!"


segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Das coisas que mais gosto desta casa de campo?

As enormes janelas abertas e os cortinados a esvoaçarem. Lá fora um enorme manto verde e cá dentro o som da lareira a crepitar (que é acendida não tanto para aquecer, mas só porque sim) e depois penso que de todas as visões cinematográficas esta é a minha preferida!  

Sou uma fácil, é o que é

Estava combinadíssimo com a uma das minhas BFF "vamos à festa, mas nada de álcool!", no fundo reunimos um conjunto de argumentos que sustentavam esta teoria, sendo que o "acabamos sempre a noite bêbedas que nem um cacho" ganhou superiormente sob todos os outros. Pois que bastou pôr um pé, um pézinho na festa e ao primeiro abraço já tinha um copo de gin na mão! Dá para perceber que sou uma vendida e que ando com más companhias?!

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Autorizadíssimos a darem-me um estalo

Da próxima vez que me passar pela cabecinha a triste ideia de ir jantar fora no dia dos namorados... espanquem-me! Pior do que o cenário dantesco de sair à noite neste dia, só mesmo fazê-lo sem reserva prévia de mesa e levar por arrasto os miúdos e a namorada do mais velho. No único restaurante disponível, a comida chegou à mesa às 22.30h quando a Madalena já dormia! Fora a angústia de ver a miúda a dormir no restaurante, agravava-se a culpa de saber que estava cheia de fome e tinha teste no dia seguinte. O João, que se tinha levantado às 03.30h da manhã, tinha umas olheiras até ao queixo e fazia um esforço tramado para abrir os olhos. A pobre da namorada do meu filho já nem conseguia articular as frases correctamente tal era o sono que tinha, quando a sobremesa chegou lá para os lados da meia-noite. De modo que é isto: batam-me!!

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Batata #475948 and counting

Acabei de ficar sem um único enfeite de Natal! A Batata apanhou uma abertura do portão da garagem e lançou-se ferozmente à caixa das decorações da árvore de Natal ... De modos que durante a meia hora em que andei de rabo para o ar a apanhar os restos mortais de bolas, anjos e trenós usei de todo o vernáculo que conhecia, desconhecia e pedi emprestado! Ontem, havia plástico e esponja espalhados por todo o lado, foi-se a um tubo do painel solar e esfrangalhou aquilo tudo! À volta da garagem estavam duas toalhas de banho completamente rasgadas ... A par disto, a tipo está enorme e já contam uns belos 70 kg pelo que posso garantir com toda a propriedade que mais vale fazer criação de vacas!!

Adora pessoas que subestimam a minha capacidade de apertar pescoços!

-"Olá, estás boa?! Estás mais gordinha!!! Sabes que eu vendo herbalife... se quiseres..."


Esta está mesmo a pedi-las!!

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

E se eu vos disser que, poucos dias se passaram desde que recuperei de uma gripe péssima e ... volto a apresentar sintomas de nova gripe!!!
À pessoinha que utilizou de forte macumba para cima da minha pessoa, peço que gentilmente alivie um bocadinho a carga. É certo que esta maleita contribui em muito para a economia nacional - a CUF adora-me, a Renova bate palminhas e a indústria farmacêutica também - mas de facto trata-se da sanidade mental de toda uma família que já está fartinha de me aturar e corro o risco de caminhar para a indigência. De maneiras que é isto, um apelo sentido à solidariedade e ao coraçãozinho fofo do autor desta trampa!

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Ainda em modo "Belhéc"!

Estou há uma semana doente. Há uma semana com dores em todo o lado, sendo que as dores de ouvidos suplantam todas as outras. Estou há demasiado tempo a sentir-me doente, com cara de doente, com cabelo de doente, com fedor de doente. A minha solidariedade está com as pessoas que estão verdadeiramente doentes, porque isto é só uma gripe da treta que me deu forte e feio, mas reconheço esta canseira em estar doente. Uma dor imensa ali entre ombro e o pescoço (acho que se chama trapézio) que chega a ser incapacitante e me dá uma neura descomunal. Estou há demasiado tempo queixosa, farta de mim mesma. Eu própria já não consigo ouvir-me, sempre na lamúria. Estou belhéc! Sem piadinha nenhuma à espera que no dia seguinte já esteja um bocadinho melhor. Entretanto passei as bichezas ao meu pai e a minha mãe teve de retornar à base (pobre coitada que anda aqui numa fona com esta gente toda envirusada) e fiquei a arrastar toda esta gestão como posso! Só vos digo, a hibernação é a minha cena!

domingo, 29 de janeiro de 2017

Gripe A, B, C, D,...

Um gripe do demo deitou-me ao chão tipo pugilista desenfreado! Estou KO, literalmente! Dores de ouvidos, febre, dores no pescoço e cabeça, tosse, muita tosse, ranhoca, ... Filha da mãe de uma gripe que me arrasta para a cama desde quarta-feira à tarde! Um bem-haja imenso à minha mãezinha que se mudou de malas e bagagens para pôr termo ao caos em que a minha casa se encontrava e dar-me canjinha, cházinho e chocolatinhos... Desta gripe com nomenclatura alfabética retiro aquilo que retiro de tudo o que a minha vida me dá: Amor!

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

O meu colo é teu

Depois de deixarmos o irmão na escola, ela começa a queixar-se que lhe dói o ouvido. Reconheço-lhe a manha, o cansaço, a necessidade de colo e hoje, só por hoje, cedo-lhe à vontade e poupo-a ao afamado discurso acerca da importância da escola. Hoje, só por hoje, rumamos a casa juntinhas, voltamos a vestir os pijamas e acendemos a lareira num aconchego que é só nosso. 

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Madalena - "A professora de substituição perguntou quem tinha uma mãe galinha e levantaram todos o braço menos eu!"

Eu-"...mas, mas, mas...não me achas uma mãe galinha?????" (wtf, criatura de Deus???? Então anda aqui uma gaja no esforço, na pedagogia e vem esta criancinha e não valoriza, ai tu queres-me ver!!!)

Madalena - "Pois, a professora também achou estranho (agora também era só o que me faltava, agora tenho a professora a achar que eu sou uma negligente do pior!), mas ela diz que uma mãe galinha é uma mãe preocupada e eu expliquei-lhe que tu não és preocupada, és risonha, feliz e muito descontraída!..."

Eu - "Mas tu achas que a mãe não se preocupa contigo????!!!!" (ai que eu estou aqui com uma dor no braço direito, ai que eu estou aqui com um tremor no olho, ai que isto é um ataque cardíaco, ai socorro!....)

Madalena - "Acho!"

Eu - "Mas porque é que dizes isso?" (vá lá, espeta-me farpas mesmo no meio deste meio coração frágil e despedaço de mãe injustiçada, filha do demo!)

Madalena - "Porque uma mãe preocupada é uma mãe muito stressada, sempre com pressa, sem ter tempo para os filhos. É preocupada com os problemas, e tu não és isso! ... "

Eu - "Ahhhhh! Agora percebo, para ti uma pessoa preocupada é uma pessoa com preocupações. Então eu não sou preocupada, sou interessada!" (diz que sim, diz que sim, diz que sim,....)

Madalena - "Sim, és interessada! E depois olha, também não gosto de galinhas, por isso não gosto da palavra mãe-galinha!"

E pronto, em nano segundos o coração de uma mãe parou, ressuscitou e voltou à euforia! Parvos dos cachopos sempre a testar a máquina a uma pessoa!

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Frio ... gosto de tu!

Adoro frio (mais um facto estranho acerca da minha pessoa) e ando felicíssima com este tempo. Eu e o meu filho que, sendo a minha descendência, consegue adorar esta época do ano tanto quanto eu. O campo potencia ainda mais esta nossa adoração e de facto esta casa tem tudo alinhado para esta equação resultar, é a lareira, o sofá voltado para uma janela imensa com vista para os campos cobertos de gelo, o cobertor e os cães sentados aos nossos pés, o chá de poejo acabo de colher e o bolo de laranja saído do forno... E roupa, muita roupinha para cobrir tanta caloria!! 


quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

A selecção natural que a vida se vai encarregando de fazer ...

É certo que sou demasiado naif para os meus  40 anos. É certo que sou demasiado optimista e que deposito francas expectativas em tudo o que faço na vida. Espalho-me ao comprido quando se tratam de relações humanas. As relações humanas são francamente o meu calcanhar de Aquiles. Lixo-me bem lixadinha porque espero a mesma retribuição, o mesmo tratamento, o mesmo empenho, o mesmo abraço. Também sei que sou uma privilegiada e que ao longo da minha vida fui bafejada por um santo porreiro que me tem posto no caminho gente à maneira e que não me desilude. 
Depois vem a vida, com as suas particularidades e lá vai mostrando em que gaveta cada pessoa está. Metes tudo na gaveta das pessoas de bem e...tau! entalaste. Ficas meia azamboada, coisa que é normal de quem acabou de ser entalada por uma gaveta, mas a vida volta, para te fazer seguir em frente, fechar as gavetas todas e mostrar-te a lei da compensação, que é como quem diz abre-se a gaveta das pessoas verdadeiramente confiáveis, os durões a quem chamamos verdadeiros amigos, aqueles cujos abraços se entranham na epiderme e que não se poupam na dureza das palavras, se assim for preciso.
Hoje foi dia de arrumações!




segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

. . .

Pessoas de todo o mundo respondei ao meu apelo: ainda falta festejar algum Natal em mais alguma parte do mundo? A esfera mundial e religiosa já celebrou toda o nascimento de Jesus ou ainda há alguém a festejar? É que não começo a dieta enquanto as festividades decorrerem e ainda este fim de semana celebrei o Natal com os russos (arranjam com cada desculpa!) com mais umas jantaradas e uns brindes e estou aqui a questionar-me se em toda a humanidade não há mais nada que me mereça um copaço e uma rabanada. Partilhem por favor, que eu não quero deixar ninguém de parte e isto das festas só durarem um mês custa-me muito!

Madalena escamoteia a questão prática da morte

 - "A jornalista disse que o Mário Soares foi internado antes do Natal ... achas que chegou a receber presentes?!"

E pronto, no fundo é isto, esta parte muito prática da logística Natal-presentes-morte para uma criança de sete anos, para quem pouco interessa o que foste ou o que fizeste, mas sim se foste verdadeiramente feliz no Natal!

(e já agora, disse-lhe que sim, que o senhor recebeu presentes no hospital porque o Jesus e o Pai Natal sabem sempre onde estamos e que ficou seguramente muito feliz!)

sábado, 7 de janeiro de 2017

Às mentes iluminadas da reforma educativa

Sois ou loucos ou profundamente optimistas, duas particularidades que se chegam a tocar porque é preciso ser-se muito dotado de optimismo para acreditar que crianças com sete anos possuam capacidade intelectual para compreender e encontrar paralelismo prático em rectas, intersecções, uniões, segmentos, eixos... E muito louco para acreditar que tudo isto é exequível sem termos de recorrer a psicofármacos (os pais e as criancinhas!). 
Neste momento, estou eu, que até tenho um curso superior, e o meu filho, que frequenta o 11º ano na área científica, às voltas com a matéria de matemática de 2º ano, para explicarmos de uma forma prática a dita à minha filha de sete anos. Eu já fui ao google e o meu filho garante-me que isto é matéria de 2º ciclo. 
Posto isto concluo: sois anormais, gente pouco provida de conhecimento na área da educação, mais especificamente na área do desenvolvimento humano. Gente que apresenta um profundo desrespeito pela condição que é ser criança, zero respeito pelo direito a brincar, a apanhar ar puro, a levar com vento na cara sem a preocupação de ter de estudar da página 65 à 76 no fim de semana. 
E nem pensem que me apanham enfiada em casa a estudar com esta desgraçada desta criança à custa das vossas merdas, é que não mesmo!

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Madalena by night

Primeiro acolheu com grande entusiasmo o menu do jantar: açorda alentejana de bacalhau. Depois já não era bem aquilo que queria porque estava muito cansada e queria uma comida mais ligeira "pode ser uma bifana no pão". Mas entretanto foi acometida de uma coceira doida, a urticária típica de quem está irada de sono. Já não queria comer, não queria beber, muito menos lavar-se e vestir o pijama. Por fim, sentou-se à mesa. Já com higiene feita e pijama vestido. Mordiscou a bifana, disse que a água sabia mal e que o pão era demasiado rijo para os dentes dela... Eu? Assisti a tudo de camarote, não movi uma palha nem gastei uma gota de saliva e deixei que o pai arbitrasse o duelo, é que se há homem com capacidade para lidar com as indecisões e irritabilidades femininas é este senhor. 

. . .

Madalena preocupada com a notícia do falecimento do George Michael:

"Mano, nas notícias dizem que ele desapareceu... se calhar ainda o vão encontrar!"

"Está bem visto, mas os jornalistas estavam a referir-se à morte dele"

"Coitado, tenho imensa pena dele que morreu sem abrir os presentes!!!"

Então, bora lá a isto!

Em primeiro lugar quero pedir desculpa por não ter passado aqui para desejar umas boas festas. (shame on me!). Explicar-vos depois que os motivos foram da maior nobreza: a dedicação em exclusivo às minhas crias e ao meu ninho que urgiam de atenção, mimo e muito amasso. Tudo prioridades na vida às quais não devemos nem podemos negligenciar.
Vai daí já estamos em 2017. E as minhas palavras para 2017, neste Dia de Reis, é que seja meiguinho, que seja do bem, que se inspire nas minhas gargalhadas e flua sem mágoas nem maldade. Sobre 2016 recordo o que Rui Maria Pêgo dizia no Instagram "2016 não foi um ano...foi um tractor", e no fundo isto resume tudo!
Por isto, para este novo ano dou-lhe a frase de comando: bora lá pra frente que atrás vem gente!