sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

. . .

À saída do cabeleireiro, estou a andar e a olhar para uma montra (eu não olhava propriamente para a montra, mas mais para o meu reflexo!) e eis senão quando dou um encontrão brutal num escadote enorme com rodinhas e um senhor lá em cima a ajeitar as decorações de Natal. Na tentativa de compor o cenário, grito lá para cima "desculpe, não o vi" ... o senhor não estava nem aí para as minhas desculpas e consegui ouvir doces palavras como "andam sempre com os cornos no ar!"!
À noite, durante o Concerto de Natal do Conservatório, saio para ir buscar água. Saio, mas faço-o pelas portas de emergência com saída para... a rua! Contorno o edifício sob um dilúvio tremendo, vou ao bar buscar água num estado de meter medo (remember que tinha ido ao cabeleireiro) e quando vou para entrar sou barrada  porque estou sem bilhete e com uma garrafa de água que, como todos sabeis, é perigosíssima para levar para um espectáculo de crianças!!! (um bem-haja para as espertas que vinham atrás de mim e puseram as garrafas de água dentro das malas!).

Sem comentários:

Enviar um comentário