segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Voltei a não dormir ...

Adormeci à meia noite e meia, são 4,15h da matina e eu estou aqui com uma insónia proporcional à neura que se instalou há dois dias, por alturas em que este estado regressou à minha vidinha.
Como entretanto já sei o que a casa gasta, sei que tenho de marcar  consulta urgente com o neurologista, porque a privação de sono já fez muita bosta nesta mona. E já entrei naquele ciclo de ansiedade em que até tenho medo de adormecer porque como já sei que vou dormir pouco, sobe por mim acima uma espécie de cacaclismo de taquicardia incontrolável.
De maneiras que agora já são 4,37h e eu já fiz uma pausa na escrita para deitar abaixo meio pão com chouriço que o meu marido trouxe quando, às 2h, chegou a casa. Toda a malta ressona, cadelas incluídas que dormem encostadas às portadas da sala de estar e já me fizeram mudar para o escritório, tal é a barulheira que fazem.
Lembro-me agora que deixei roupa estendida e isso é dramático por causa da conhecida compulsão da Batata com o estendal. Fónix, já agora espero mais um bocadinho e aos primeiros raios de luz vou apanhá-la ... a que tiver intacta, pelo menos! 
Descongelei almoço para amanhã e só não me lanço nas tarefas domésticas porque sou natural e acidentalmente barulhenta. Vou-me entregar nas mãos do Dr. Phil (da SIC Mulher) que está a chegar forte e feio na extremosa mãezinha de um puto psicopata.
Obrigada por este bocadinho ... até já!


2 comentários:

  1. Assusta-me a ideia de não dormir! Deve ser o problema que me faz sentir mais "solidária" com os sofredores! Eu que quando me dá o sono, gosto tanto de deitar a cabeça na almofada e seja qual for o problema com que esteja a lidar na altura, adormecer. Se eu não dormisse que escape tinha? Como respirava? Espero que a fase má passe!

    ResponderEliminar
  2. Olá,

    espero que este teu estado de ansiedade se resolve, mas percebo que não estás nada bem... e sei bem como é sentir-se assim... neste estado.
    desejo-te forças e muita energia positiva.
    gosto de ler-te , mas não gosto saber que andas assim.
    espero que esta palavra amiga te dê força!
    um beijinho.
    Lili

    ResponderEliminar