terça-feira, 27 de setembro de 2016

Rotinas (tão queridas e fofas)

Agora que a malta cá de casa já tem os horários escolares alinhados (o pai o ano passado voltou a estudar, e isso faz de mim encarregada de educação de três criaturas ... eheheh) é hora de nos organizarmos. Ora se o homem sai do trabalho e vai para as aulas, isto significa que, de manhã à noite, toda a gestão familiar e doméstica fica a cargo desta serva que vos escreve. A nossa vidinha tem de ser muito bem organizada caso contrário a caótica que há em mim apodera-se. Quartas e sextas feiras são dias do demo, onde definho duas horas à espera do meu filho (a Madalena sai às 17.30h e ele sai às 19.30h) sendo que é aqui sabido que a miúda não é um primor da paciência e eu padeço duas horinhas ali à maneira (cruz credo tende dó de mim). Enquanto o tempo estiver bom vou com ela para o parque infantil, ela tem aproveitado para fazer os trabalhos de casa e brinca a seguir. Quando o tempo estiver mau ... não vale a pena sofrer por antecipação porque não de prevêem bons ventos. Bom adiante, quarta feira também tem a particularidade de ser dia de ensaio do jovem. Sai às 19.30h, tem ensaio às 21h, lindo!! A loucura, o horror. Com as distâncias e os tempos e percursos estudados facilmente se percebe que não dá para vir a casa jantar, solução? levo o jantarinho numa marmita e o miúdo janta no caminho. Mas calma, ainda me resta mais uma criança dentro do carro, irritada, cansada, com sono, vai daí saem duas marmitas e comem os dois dentro do carro. Mas não se fica por aqui, é que a criatura mais nova é dada a adormecer no carro com o embalo da coisa, então sucede que levo o pijaminha e visto-lho no carro (a criança é asseada, não vem mal ao mundo se não tomar banho às quartas e as toalhitas são nossas amigas). E a procissão ainda vai no adro, porque ainda não tenho horário definido para a catequese e para a equitação da cachopa. E falavam-me os meus amigos, neste fim de semana, em termos mais um filho ... livra! Um grande bem-haja a quem tem mais de dois filhos, sois heróis!

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

É oficial ... sou uma pessoa estranha!

Ando há imenso tempo com uma dor incomodativa no dedo mindinho da mão esquerda. É suportável e só me lembro que dói quando toco no dedo, mas permanecia em mim a dúvida da origem da dor. Até que ontem descobri: é que eu ganhei o estranho hábito de puxar o manípulo do pisca do carro com o dedo mindinho! Soy una persona estranhitita (diz que está na moda falar espanhol ;). 

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Encontrar o ginecologista no supermercado ...

Se há pessoas que deviam ficar circunscritas a um determinado local, uma delas é o nosso ginecologista. Parece estranho e é, afinal o homem que me avalia a "entrada para a felicidade" passa o dia a ver pipis e concerteza que o meu é só mais um. Mas pronto ainda assim não deixa de não ser esquisito vê-lo ali a escolher limões. Ora esta que vos escreve é conhecida pela sua surrealidade e, ao ver o médico cumprimenta-o e, como senão bastasse ao ver a filha e o marido a encaminharem-se na sua direcção diz à criança em alto e bom som "Madalena, olha o Dr. Estevão! O médico que te ajudou a nascer!" ... E assim fica um hipermercado inteiro a saber que há dois homens naquele local que me vêem a "maria joana" e uma criança a gritar "credo, foi ele que te cortou a barriga?!"

domingo, 18 de setembro de 2016

Vamos lá ser amiguinha das flores

O Sr. Ribeiro é um senhor muito querido que tem um horto com coisas fantásticas e lindíssimas. E eu sou a melhor cliente do Sr. Ribeiro, porque vira e mexe e consigo criar um manto de natureza morta à minha volta e então volto lá vezes sem conta para repor flores. Era de supor que o Sr. Ribeiro me adorasse (no fundo os seus cofres são grandemente recheados à minha custa) ... pois que o senhor é um amor comigo e trata-me lindamente, mas quando percebe que uma das suas plantas finou aos meus cuidados, tem um tremor nervoso que lhe apanha metade da careca e lhe provoca um ligeiro tique. 
Ontem passei à porta do horto e ainda dentro do carro, tinha o Sr. Ribeiro a fazer-me uma grande festa, quando me grita "Então menina, como é que estão as flores roxas?! Devem estar enormes!". Pois, é que o Sr. Ribeiro tem esta particularidade de perguntar sobre plantas e flores que nós compramos há dois anos atrás. Foi aí que pensei "bem, eu não vou dar a notícia do falecimento das ditas assim em andamento", vai daí, estaciono e entro com grande entusiasmo. Quando o senhor me voltou a falar da planta com florinhas roxas, ainda me fiz de desentendida, mas ele insistia "aquelas que ficaram nos vasos grandes da sua entrada" ... "ahhhhhh deram-se mal ... deve ser do vento" "ó menina, você nunca rega nada!!!!". E lá voltou o tique e a careca do senhor a palpitar. Vai daí para o animar digo-lhe que esta semana estou virada para as aromáticas e lá vamos nós escolher umas quantas. Quando estou com uns coentros na mão pergunto-lhe "então diga-me lá, isto é para regar todos os dias?!" Nessa altura morri, fui vítima do olhar fulminante que o pobre senhor me lançou! Foi tão mau que mandei das minhas gargalhadas sonoras "sabe, é que eu estou sempre à espera que o senhor me surpreenda e diga que é para regar uma vez por semana!". Estão a ver: tique, veias a saltitar, careca vermelha,... Resolução de ano novo (o ciclo de vida das mães começa em Setembro, certo?!): regar religiosamente flores, plantas e tudo o que for verde!!

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

About caos

A minha casa está um caos. Ora isto não é nada meu, a mulher que adora esparramar-se no sofá mas que se levanta para endireitar uma moldura, apanhar uma linha do chão e não consegue ir dormir sem a casa arrumada. Os técnicos atribuirão mil significados, teorias e especulações, poupem-se aos esforços - a minha casa é o meu refúgio e está caótico porque eu estou num turbilhão. Há quem mude de penteado, ataque nos antidepressivos, compre roupa, ... eu, na crise, aninho-me no sofá a devorar séries e desligo do mundo, cumpro os serviços mínimos quanto aos cuidados dos miúdos, distribuo tarefas e vou empurrando com a barriga as horas do dia. Por via de circunstâncias da vida já consigo perceber que isto tem dias contados e que nos entretantos me dá uma espertina e levo todo o mundo a reboque. Até lá, sai um gin, uma comidinha tailandesa, um balde de pipocas e um filme brega.  

Nos entretantos, fui fazer a manutenção do gel, depilação e agendei extensão de pestanas, reguei as flores, limpei o fogão, varri a cozinha, e consegui não me esquecer de ir buscar os miúdos à escola a horas certas ... menos mal! Amanhã, lavo o cabelo!

Está aqui uma coisa jeitosa!

As enxaquecas de caixão à cova regressaram à bruta. Com elas arrastaram-se as poucas e más memórias do episódio de amnésia de há um ano atrás. É fase do demo em que andamos ... livra!!

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Batata, nãooooooo!!!!

A Batata faz hoje 1 ano e em jeito de balanço a família concluiu que a frase mais dita durante este tempo foi: "Batata, nãoooooo!!!!"

(A foto da aniversariante não foi possível devido a falta de colaboração da mesma, que lambuzou o telemóvel todo)

Em negação

A escola começa na quinta-feira e os meus filhos parecem presidiários a contar os dias para a sentença (de morte, só pode!).  Bem tento fazer actividades que os distraía mas a malta está num desconsolo ... a coisa até vai bem, mas a dada altura do dia lembram-se do regresso à escola e é preciso uma dose reforçada de mimo, principalmente no mais velho que apesar de toda aquela barba, altura e pés de gigante quer colinho e sabe-nos tão bem!

Voltei a não dormir ...

Adormeci à meia noite e meia, são 4,15h da matina e eu estou aqui com uma insónia proporcional à neura que se instalou há dois dias, por alturas em que este estado regressou à minha vidinha.
Como entretanto já sei o que a casa gasta, sei que tenho de marcar  consulta urgente com o neurologista, porque a privação de sono já fez muita bosta nesta mona. E já entrei naquele ciclo de ansiedade em que até tenho medo de adormecer porque como já sei que vou dormir pouco, sobe por mim acima uma espécie de cacaclismo de taquicardia incontrolável.
De maneiras que agora já são 4,37h e eu já fiz uma pausa na escrita para deitar abaixo meio pão com chouriço que o meu marido trouxe quando, às 2h, chegou a casa. Toda a malta ressona, cadelas incluídas que dormem encostadas às portadas da sala de estar e já me fizeram mudar para o escritório, tal é a barulheira que fazem.
Lembro-me agora que deixei roupa estendida e isso é dramático por causa da conhecida compulsão da Batata com o estendal. Fónix, já agora espero mais um bocadinho e aos primeiros raios de luz vou apanhá-la ... a que tiver intacta, pelo menos! 
Descongelei almoço para amanhã e só não me lanço nas tarefas domésticas porque sou natural e acidentalmente barulhenta. Vou-me entregar nas mãos do Dr. Phil (da SIC Mulher) que está a chegar forte e feio na extremosa mãezinha de um puto psicopata.
Obrigada por este bocadinho ... até já!


sábado, 10 de setembro de 2016

. . .

Madalena: "Sabes, quando estamos aqui no supermercado fico baralhada. Olho para a carne e fico com pena dos animais ... acho que vou ser vegetariana!! ... Mas depois olho para os legumes e penso que deviam estar numa horta, felizes!! ... Olha, sabes que mais, vou continuar como estou, a comer carne e peixe senão passo a vida toda baralhada!"

Pai:" Vantagem do raciocínio rápido ... vai do problema à solução numa frase sem pausas nem interrupções. Isto deve cansar!"

Benvindo meu querido à mente feminina. Simples e rápida no gatilho!

Deste lado

Por aqui anda-se mal. Por assuntos que, por agora não poderei revelar, a vida dá voltas do catano  e quando se está rodeado de gente má a probabilidade de ser contaminada aumenta exponencialmente. Tenho sorte, sou muito amada e enquanto pensar nisso não há mal que me chegue. 
Até lá, até encontrar verdade e justiça, vou mergulhar nesta bolha de amor chamada família. E como não sei viver de meios termos, entrego-me incondicionalmente a mim e aos meus, sem meias medidas, assim à bruta, que esta coisa do amor ou é ou arrepias caminho. Tenho aprendido muito sobre a natureza humana, logo eu que já vi e vivi tanto e me achava uma pro no comportamento do bicho homem. Agora é tempo de olhar para dentro com olhos de gente e seguir caminho.
Desejem-me muita merda! Eu agradeço.

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Oh, mundo cruel!!

Madalena: "Mãe, tu nunca a eras capaz de me matar, pois não?! É que há mães que matam filhos! A sério, eu ouvi na televisão!" 

Eu (profundamente horrorizada e aflita): "Oh querida, claro que não. Nunca, nunca, nunca! Essas pessoas têm problemas, não estão saudáveis, a cabecinha delas não está bem ... Percebes?! Os papás nunca vos fariam mal! Eu não quero que penses nisso, está bem!"

Madalena: "Olha sabes, a culpa é do pai que não me deixa ver os desenhos animados porque quer ver o telejornal, e depois eu acabo a ver essas coisas que me fazem muito mal à cabeça!!"

Não sei por onde comece, se pelo facto do paizinho (atentem à condescendência do tom) a deixar ouvir estas notícias, ao facto dela achar que eu lhe possa fazer mal, ou da manipulação escarrapachada da bicha para poder ver os desenhos animados!!!