sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Qual é a probabilidade de isto acontecer às pessoas normais?!

Estou eu e o meu esposo a enviarmos uns sms calientes um ao outro. Até ao momento em que a criatura do homem se engana no destinatário e envia para a filha de uns amigos nossos...
Solução? Emigrar!

Formas de vida

Tenho dias em que nem por aqui passo porque acho que sou um ser entediante. Se aqui expusesse todas as vezes em que me sinto frustrada, irritada e sem paciência para gente parva, seria uma riqueza. Sobretudo quando em comparação olho para os outros blogues e vejo que toda a gente anda feliz e contente, não há viv'alma com dias maus e se os têm vão buscar frases poéticas para os combater. Será mesmo assim? Será aquilo tudo? Sempre em bom? A vomitarem estilo e a irradiarem felicidade de manhã à noite? Já eu não tenho filtro, logo deixo-me estar quietinha no meu canto para não despejar impropérios que, em verdade se diga, também me dá forte mas passa-me depressa. É sexta-feira, o pior dia da semana para mim em termos profissionais, mas caga nisso que a vida é linda e cheia de gente com frases fantásticas para nos alegrar. Sim, estou com neura. Não, não sou um ser recalcado. Sou humana, feliz, grata, com momentos de altos e baixos, mas sou essencialmente isso: humana.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

A Madalena é o padre que não sabe guardar segredos

Madalena: "Mãe, votaste em quem?"

Eu: "O voto é secreto, mas como estamos em família posso-te dizer..."

Madalena: "Diz lá outra vez para eu decorar"

Eu: "Mas queres decorar o nome da pessoa em que votei para quê?! Olha Madalena Maria, porventura este assunto não vai ser falado na escola, pois não?!"

Madalena (com ar absolutamente cândido): "Claro que não! Também não tem interesse para nada. Mas sei lá, pode sempre vir a assunto na sala de aula e eu gosto de participar nas conversas!"

Não admira que quando ouvi este episódio do "Rebenta a Bolha" na Rádio Comercial eu tenha retratado a minha filha...

domingo, 24 de janeiro de 2016

. . .

Só agora percebi que o creme que pus num corte que tenho na perna é a pomada veterinária para a dermatite da Ginja. Ainda não ladro...e o corte não está mau de todo. Não sei que interpretação faça disto!

Votar e depois escalar

Desde que tenho um jipe que percebo uma coisa: em caso de dificuldade em estacionar o pensamento do automobilista com carro é "vamos lá entalar o jipe que ele faz uma escaladazita". Facto primeiro: mentira, nem todos os dias me apetece ir às couves. Segundo, nem todos os proprietários de jipe fazem TT, que por acaso é o meu caso, e só a ideia de andar a escalar montes me dá um arrepio por mim acima pensando somente na remota possibilidade de lhe fazer um risquinho que fosse. Fónix, isto é material caro! Ora bem, esta dissertação serve para vos dizer que até ao momento aguardo pelo imbecil que me entalou e achou que bonito, bonito era eu subir um monte de pedra... Mas pronto já votei. Espero que esta espera não seja um mau presságio. Btw, o fulano do carro está a votar para a presidência de todos os países da Europa?! É que estamos numa aldeia, não há filas, e se o senhor se lembrou de ir ali à tasca beber um traçadinho estou lixada!

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Batata, episódio 5487958

A Madalena tem tinha um blusão acolchoado da Lanidor comprado o ano passado e que era ma-ra-vi-lho-so. Quentinho, lindo, com capuz, quando estava sujo punha-o na máquina de lavar e ficava impecável, enfim era o TT dos blusões. Este fim de semana, aproveitando o solinho do bom, lavei-o e pu-lo a secar no estendal. Quando à tarde fui levar o João a Óbidos para o ensaio, confesso que olhei para o blusão e para a Batata e pensei cá para comigo "náááá, ela é boa bicha e não se atrevia a tocar na roupa estendida!". Se assim pensei, melhor a Sr. Dona o fez. O blusão estava num estado tal de esfarrapanço que vi enchimento mal abri o portão de casa... não havia ponta que escapasse. Ainda estou em estado comatoso, a processar e a constatar ainda por cima que a Lanidor já o descontinuou ... 

Sobre o amor de irmãos

Já aqui o disse variadas vezes, mas volto a reforçar: esta coisa nova para mim que é o amor de irmãos e que assisto nos meus filhos pelo facto de eu ser filha única, deixa-se assoberbada, Ontem à noite, sabendo que o regresso à escola da irmã está a ser difícil (depois das férias de Natal, esteve dois dias na escola e ficou doente, ficando mais semana e meia em casa...) ele decide tocar para ela a música do Frozen em saxofone. Ela estava tão delirante que rodopiava em torno dele. 
Ao deitar, ela queixou-se com muitas dores de pernas e ele explicou-lhe que eram dores de crescimento e que ele também tinha passado pelo mesmo e que não havia nada melhor que as massagens mágicas da mãe. É amor tão bom que dói.... 

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Sunday night fever

Nós (marido e eu) somos uns valentes arruaceiros do sono das crianças. É verdade. Admito-o. Mas só de uns dias para cá é que tomei consciência. Primeiro foi o valente puxão de orelhas do mais velho a mandar-nos para a cama porque queria dormir e não conseguia. E ontem não foi melhor. A culpa foi do mau tempo que apelou para uma sesta a meio da tarde, o que significa que à noite estávamos frescos que nem uma alface. Primeiro, foi ver-nos a rir que nem uns doidos a assistir a um filme cómico, depois percebemos que os Azeitonas tinham actuado na TVI24 e vai daí rebobinámos e cantámos como se não houvesse amanhã. De permeio, íamos lembrando a Madalena que tinha que ir para a cama, mas como o exemplo que estávamos a dar era tudo menos o ideal, a tipa topou a coisa e vai de surdina na mensagem que invariavelmente era repetida por descarto de consciência (nosso, claro!). O Joãozinho (meu rico filho e o mais ajuizado cá de casa) deitado, lá fazia uns ameaços. A verdade é que estamos a falar de domingo à noite, o momento de depressão que se quer ultrapassado com momentos alegres e bem dispostos, se calhar não tão bem dispostos vá, está visto que temos de trabalhar o equilíbrio da coisa porque depois de manhã pagamos a factura de uma noite com poucas horas de sono e muito pouca vontade de levantar, trabalhar, resumindo mexer uma palha que seja.

Está tudo em modo fast forward ou é impressão minha?!

O Natal ainda mal acabou, ainda ando a arrumar enfeites na garagem e a professora da minha filha vem-me falar de fatos de Carnaval, que num breve laivo sobre o calendário me deixou com urticária. A escola escolheu como tema os frutos, a vida saudável e o diabo a quatro, vai daí a rapariga vai de pêra. Pêra, pêra, pêra,... estou em repetição para ver se interiorizo.

Então, bom dia

hkangela:    lnvaded:    i-was-like-wtf:    liddoshane:    self0bsession:    invokes:    I gained like… 142 followers in 5 minutes.  All i had to fucking do was click “yes” on a link  the link’s here  i’m so happy i finally reached 1,000 followers :D    wtf it worked for me too      I gained 500 today because i was doing it      i gained 445 ish over night!:

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Em versão intelectual

Uma pessoa começa a perceber que vê mal ao longe. Uma pessoa começa a perceber que tem de fazer auto-focagem quando lê os valores nutricionais das embalagens. Uma pessoa vai ao oftalmologista e vem com óculos recomendados para a leitura, computador, televisão, etc,... e depois chega a casa e os filhos começam a gozar e a dizer que estou a caminho da deteorização. Valeu-me o marido que diz que os óculos são sexys e pôs-se a falar de professoras malandras e advogadas marotas.

Foto by Madalena num excelente plano (cof, cof)
A parte do "estou aqui" não se percebe muito bem atendendo que fui apanhada na casa de banho!

Como é que isto passou ao lado?! Como?!

A notícia é de Novembro de 2015 e passou-me ao lado. A vocês também?! Imperdoável!
Na altura já andávamos de volta das prendas de Natal, das filhoses e dos coscorões e esquecemo-nos de pérolas destas. Beckham foi eleito pela People como o homem mais sexy do mundo e eu assino por baixo, por cima, na lateral, como queiram.
Ó riqueza da minha vida, come to mama!

Beckham People

David Beckham

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

. . .

A Madalena está doentinha e o pai ficou com ela. Pedi ao adulto que desse banho à criança de manhã.
Telefonema das 11h:
"Então querido, como está a menina?"
"Tem tido alguma tosse."
"Já lhe deste banho?"
"Claro que não, agora vamos tomar o pequeno almoço e depois descansar um bocadinho a ver desenhos animados. Bolas, a noite foi dura!"

Telefonema das 13.30h:
"Querido, consegui consulta no pediatra às 18.30h. A menina já tomou banho?"
"Estás a brincar? Então ela tem estado a dormir a manhã toda, nem tomou o pequeno almoço!"

Inverteram-se os papéis!

Uma da manhã. Joãozinho chega à sala irado, onde seus paizinhos galhofavam animadamente:
"É pá assim não dá! Vocês fazem um barulho que não se pode. Têm de ir para a cama mais cedo senão ninguém consegue dormir nesta casa!"
E nós lá fomos, a rirmos baixinho mas fomos... porque somos obedientes! 

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

É o lema da minha vida

. . .

Eu sou assistente social... sim toda a gente sabe.
Eu trabalho com crianças ... também não é novidade.
E há dias em que extensão de pestanas em cima e rímel nas pestanas de baixo são coisas que não se compadecem com a minha actividade profissional.
Shit para isto tudo e para as merdas todas da vida com que temos de lidar.

Report da primeira reunião escolar da Madalena

Adora ajudar os outros, mas o seu sentido de justiça por vezes leva-a a exceder-se (está bom, é bonito, mas esta mania de se meter onde não é chamada está-lhe nas entranhas, que caraças). É esperta (já tínhamos reparado qualquer coisinha). Com um discurso acima da média (efectivamente andamos há algum tempo à procura do botão do off). Peca por ser conversadora (juraaaaaaaaa). Tem que trabalhar mais o raciocínio matemático que desperta curiosamente quando a professora dá exemplos com compras (sai mesmo à mãezinha, não percebo nada de contas, mas metam-me uns saldos à frente e até fracções vos faço!).

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Um dia vou contar-vos como perdi as cuecas em pleno supermercado

E sim, pode perfeitamente ser hoje...

Foi este verão. Estávamos de férias no Algarve e, não me perguntem como, a sério porque não sei, evitem só pensamentos badalhocos, vesti umas cuecas que não eram minhas (eu disse para evitarem badalhoquices porque dentro da sexualidade sou uma rapariga a atirar pro sério). Mas sim, aconteceu. É o que dá passar férias com a família. Vim da praia, tomei banho, fui ao estendal e agarrei numas cuecas, vesti-as e emborquei um vestido por cima. E para aonde é que ela vai? Para o Continente de Lagos, local pouco movimentado no mês de Agosto! Mal saí do carro, a coisa começou a dar-se: aquela sensação de cueca larga, a anca movimentava-se e a cueca ficava laça, só que à medida que avanço para os corredores do hipermercado começo a ter a sensação que está alguma coisa a escorregar-me pelas pernas, como o vestido era modelo cai-cai não me inibo de puxar da parte de cima para espreitar o que se passava lá por dentro. De repente, vem o pânico "Amor, amor...querido, chega aqui juntinho ao meu ouvido. Tenho as cuecas a cair." "Tás a gozar. A sério. (risos, risos, muitos risos) Tu não existes, será que não dá para sair contigo à rua" "Dá, claro que dá. Eu aguento-me." Só que nos entretantos dou comigo a andar à pinguim. Percorro corredores, olho para o lado e quando acho que ninguém está a olhar vai uma puxadela para cima, outra para o lado. E assim se seguiram corredores e corredores, até chegarmos à secção dos chocolates em que o meu filho me pergunta"o que é que tens aí na perna?!" E o que é que era? Nem mais nem menos que o pensinho diário que entretanto se tinha descolado da cueca folgada e colado na minha perna. Com grande arte, descrição e sobretudo muita rapidez removo-o e corro para a casa de banho (sempre em modo pinguim). Regresso ao encontro com a família e segredo ao meu marido "agradece à família, estou sem roupa interior!"

Esta passagem de ano, esta história veio à baila e os meus amigos confirmam que a existir uma figura feminina do Mr. Bean, o lugar é meu!

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Snif, snif

Mesmo a sério que a época natalícia acabou? Como é que eu vivo sem as luzinhas?!

Mada com a baliza aberta

Anda desdentada e adora. Não percebemos nada do que ela diz, temos de pedir para repetir e baba-se imenso. A fada dos dentes está na penúria.
Confesso que está gira que se farta!

Aviso à navegação

Quando vi estas placas achei que eram a minha cara.
Estão estrategicamente colocadas para que quando se entra em nossa casa se saiba ao que vai. Ao menos ninguém diga que foi enganado. Está lá tudo!


segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Foi só na minha casa?!

Esta noite foi um pavor. A Madalena arrastou-se até à meia-noite com ameaças desesperadas de quem já não sabia gerir tanta resistência ao sono. A dada altura aparece na sala (pela vigésima vez) e desaba num choro "Não consigo dormir porque não quero ir para a escola. Quero ficar em casa contigo a receber miminhos!" Nem lhe pedi que parasse de chorar, expliquei-lhe que também não me apetecia ir trabalhar e precisávamos de nos apoiar uma à outra, e assim adormeceu nos meus braços. Minutos depois aparece o mais velho, também queria colo, também ele não conseguia dormir porque não queria ir para a escola no dia seguinte, seguindo-se de um leitinho quente e muito cafuné regressou ao quarto. As minhas insónias fizeram-se sentir e não havia vivalma que dormisse profundamente.
Foi só na minha casa onde reina o pecado da preguiça ou nas restantes casas o drama foi o mesmo?!

Tu, que aí vens!

Deposito em ti grandes expectativas. Preciso que sejas melhor que 2015 no que à saúde concerne.
Preciso que mantenhas este amor e união familiar para todo o sempre. Entro em ti cheia de fé. Com férias, com mimo, com aconchego do bom. Tu que aí vens, ó 2016, porta-te com juizinho que a malta é porreira e mereces coisas positivas.
Sê bem-vindo. Entra pela porta da frente à campeão, que nas traseiras estão as cadelas e a Batata gosta de atestar a qualidade com os dentes!