quinta-feira, 22 de outubro de 2015

D. Lucinda

O meu querido, fofo e lindo jipe traz uma senhora incorporada que está constantemente a querer meter conversa connosco ela é "boa viagem", "início de funções", "local desejado?", "vídeo ou álbum?"... mas a minha preferida é quando estamos todos a conversar e ela do nada diz "como?!".
Tanta intimidade já faz dela parte da família pelo que a baptizámos de D. Lucinda.
Isto é tudo muito bonito, mas hoje já azedei com a D. Lucinda, ela queria conversa e eu dizia "ó Lucinda cala-te lá que eu quero ouvir a rádio comercial!" ao que a Lucinda me diz "destino imperceptível" e eu grito "comercial...rádio comercial!". Do banco de trás, cansado de ouvir o mulherio a discutir, grita o meu filho "desactivar"... e não é que a Lucinda lhe responde "sistema desactivado". A cabra foi o caminho todo calada que nem um rato. Será que nem no carro consigo exercer autoridade!

2 comentários:

  1. Olá bom dia.
    Deixe-me dizer que essa D.Lucinda é muito cómica, o bom mesmo, mesmo, mesmo, era "ela" fazer um tipo "self - clean" ao interior do carro. Era menos uma tarefa aborrecida a fazer e o jipe manteria sempre aquele cheirinho a novo. Porque é que a industria automovel ainda não pensou nisso?!
    Um feliz Domingo

    AP

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas isso seria genial. Creio que a industrial automóvel tem falta de mulheres porque acredito que as mulheres estivesses aos comandas haveriam muitíssimas mais funções nos computadores de bordos ...se lhe deixássemos um monte de roupita, na manhã seguinte estava lavada e engomada. Era certinho!
      Beijinho grande.

      Eliminar