terça-feira, 14 de julho de 2015

. . .

O meu filho entalou um dedo numa tesoura ao final do dia. Até ir para os ensaios (por volta das 21.30h) esteve com gelo no dedo e dizia que as ramificações e artérias tinham ficado comprometidas porque o dedo estava inchado. A páginas tantas lembra-se "caramba, como é que eu toco o fá sustenido?! Este é o dedo do fá sustenido!!" E de repente todas as preocupações universais giram na incapacidade de sair um fá sustenido. Grécia, protestos, negociações políticas, sois uns meninos perante um fá sustenido! Curiosamente a nossa preocupação perante o dedo e o fá eram...zero! Este miúdo vai-me ter traumas, porque o seu lado hipocondríaco é de tal forma elevado que é profundamente cómico para quem assiste e literalmente avassalador para o próprio. Mas pronto, como dizem que o puto sai a mim, o melhor é não cuspir para o ar!

Sem comentários:

Enviar um comentário