quarta-feira, 29 de julho de 2015

Casa cheia ... de serviçais! A-d-o-r-o

Ter uma família numerosa deve dar uma trabalheira dos diabos. Contudo, acredito ter descoberto umas vantagens, nomeadamente ao nível doméstico. Reparem, com tanta gente em casa passo a vida a dar ordens: tu fazes isto, tu fazes aquilo. Quando chego a casa, tenho sempre quem se ofereça para dar banho à Madalena, põem e levantam a mesa, tiram a louça da máquina e arrumam-na, trazem-me o cafézinho à sala enquanto me espojo no sofá, e na hora de dormir tenho sempre quem deite a Madalena para eu não interromper a série que estou a ver. De maneiras que tem sido uma maçada, uma trabalheira desgraçada. Há vidas dificéisssssss!

Uma semana em modo vegan

Ter uma sobrinha vegan em casa está a ser uma aventura. Nós, habituados à bela da chicha, ficamos agora a par de tudo o que diz respeito a esta tendência. A pessoa mais improvável de entusiasmo é a que está mais fervorosa em descobrir coisas: o meu homem. Tirou a barriga da churrasqueira e meteu-a em frente ao wok. E as especialidades que têm saído daquelas mãozinhas, ui, ui! De maneiras que já andamos todos com cara de brócolo, mas a gostar da coisa. É claro que assim que ela for para a casa dela vou-me mandar a uma posta mirandesa com uma velocidade olímpica que esta coisa de ser green só mesmo no clube de futebol.

A propósito do post de ontem

Uma amiga minha leu-o e ligou-me a ralhar porque exige que o rectifique. Exige que eu diga que sou das pessoas que "aguento mais pancada psicológica" que ela conhece. Que raramente assumo as minhas mazelas psicológicas e quando o faço é porque a coisa está mesmo mal. Que estou sempre a rir e quando não o faço é mau sinal.
Pronto, a rectificação está feita e tive um encremento motivacional do caraças. É por isso que amo de paixão os meus amigos, até podem ser umas bestinhas quando é a altura de me pôr nos carris, mas são genuínos, doces e leais para chuchu.

terça-feira, 28 de julho de 2015

. . .

Ando tão cansada que tive de recorrer a apoio médico. Ou isso ou tenho a certeza que não chegaria com sanidade às férias. A somar a isto tenho uma casa com sobrinhos adolescentes (esta parte adoro, chegar a casa e ter esta alegria toda), a Madalena doente, a gestão de um filho em crise com a namorada, ... Há coisas piores, este cansaço e estas lamúrias não são nada, são só isso lamúrias. Queixinhas baratas. Sim, sou uma fraquinha de primeira.

sexta-feira, 24 de julho de 2015

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Do 22.07

O nosso final de dia ontem foi divino. Descobrimos um restaurante fabuloso lá para os lados da Ericeira e lambuzamo-nos com tudo aquilo que gostamos: peixe grelhado, marisco, naco na pedra, ... Na hora de escolher o vinho, optamos por um que afinal não havia, e a funcionária propõe-nos como alternativa um que para ela era maravilhoso. Eu e o João olhávamos um para o outro, demos as mãos e riamos. Riamos e trocávamos olhares cúmplices, até que sentimos necessidade de nos justificar "o vinho que nos sugere é o vinho que bebemos no nosso casamento ... e hoje é o nosso aniversário". Lá está esta coisa da coincidência que a tenho por destino. Estávamos felizes, genuinamente felizes. Explicámos aos nossos filhos que aquele era O DIA, aquele dia mais importante que os nossos (meu e do pai) aniversários, mais importante que o Natal ou qualquer outra festividade, porque é O DIA em que tudo começou e nos tornámos uma família. Fizemos brindes e pedimos desejos. No final questiona a mesma funcionária "Vocês são sempre assim tão alegres? É tão bom de ver".
Claramente não somos, ou melhor, não somos sempre alegres, porque somos pessoas feitas de matéria sensível, mas fazemos o pino e mortais encarpados para que a maioria dos nossos dias sejam assim, alegres e em paz.

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Dos nossos momentos ...

Ontem ao final do dia riamos perdidamente com mais uma das minhas distracções típicas e parvas.

João: "Percebes agora filho porque é que eu casei com ela?! Rapidamente percebi que não iria sofrer  de tédio!"

15 anos de tanto amor

Hoje fazemos 15 anos de casados. Hoje, segundo a Rádio Comercial, é dia da Madalena. E eu acredito que não há coincidências. Há 15 anos vivia o dia mais feliz da minha vida, sim, esse foi o dia mais feliz da minha vida. Há quem considere o dia do nascimento dos filhos como o mais feliz, eu não acho, porque há tantos nervos, tanta tensão, tanto stress que de feliz tem pouco. Se me falarem no momento mais marcante da minha vida, aí sim foi sem dúvida quando os vi, quando os beijei, quando os cheirei. Mas o dia mais feliz, foi sem dúvida o dia do meu casamento. Foi um casamento maduro (nós já vivíamos juntos) e portanto foi muito pensado, muito planeado, muito tranquilo e sobretudo muito apaixonado e divertido. Neste dia baptizamos o Joãozinho numa cerimónia tão linda e emocionante que até o diácono chorou. E eu sinto-me tão amada ... como me sinto hoje. A vida pode dar voltas e pregar partidas, mas o 22 de Julho ninguém mo tira!

terça-feira, 21 de julho de 2015

Notícias de Espanha III

Eu: "Então querido, conta-me tudo. Como é que foi a experiência em Espanha? Os concertos correram bem?!"

Ele: "Foi bom, metade da orquestra portuguesa comeu metade da orquestra espanhola! Portanto pode-se dizer que foi um balanço intercultural positivo!"

E pronto ... é isto!

. . .

A minha filha é tão desbocada que eu tomo a pílula às escondidas dela ... só para ela não me fazer perguntas acerca da utilidade da dita!

Digamos que é uma mulher prática

Madalena: "O mano já chegou... yes, já não tenho que pôr a mesa sozinha!"


segunda-feira, 20 de julho de 2015

O piqueno já está nos meus braços

Vem encantado de Espanha, embora diga que em termos musicais preferiu Itália. Foram convidados de honra do Palau de la Musica e vinham todos em êxtase. No final da viagem cortou-se num pé (quem manda armar-se em gajo e ir fazer xixi a uma moita cheia de garrafas partidas!). Trouxe-me uma caneca, bases de copos para o pai e uma mala para a irmã,... e apesar de ser só pelo simbolismo gostei muito de se ter lembrado de nós. O meu menino, a quem eu dou pelo ombro, está grande e em mim reside um misto de "tempo volta para trás que te quero pequeno" com o "é um privilégio ver no que te transformaste". 

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Notícias de Espanha II

Pronto, ao que parece o rapaz continua com voz e já se fez ouvir. Está a gostar muito da experiência. Foram tocar à magnífica  Berklee School of Music e deram um concerto "do caraças" (cintando o próprio) e estava maravilhado. Está a detestar a comida "ao pequeno almoço é sempre doce de melocoton e o pão é uma porcaria" e o hostel onde estão hospedados "não é um hostel, é um bostel...safa-se a casa de banho do quarto". De resto, está no céu a fazer o que gosta com quem gosta. 
Aqui a coruja, ficou feliz e com o coração já mais compostinho.

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Mais um dia na vida de uma assistente social

Alguns dos meus dias são passados a gerir conflitos entre pais. Desses dias, passo grande a travar autenticas negociações que, em nome do superior interesse da criança, mais parecem acordos entre multinacionais onde tudo, mas absolutamente tudo tem de ficar medido ao milímetro. O que é que isto significa? Que me sinto numa arena, num campo de batalha onde os pais utilizam a criança que maos parece uma bola de pingue-pongue, jogada ora para lá ora para cá. E no fim das contas feitas, quem é que ganha com isto? Ninguém, naturalmente. Só traz prejuízo para todos, incluindo para mim que vou ao limite para pôr juízo na cabeça de gente doida (não há outra forma de o dizer). Hoje, às 09.30h da manhã saltou-me a tampa e saiu-me um "estou farta de vocês, farta dos dois, farta dos vossos advogados, farta que me façam de pombo correio, farta que ninguém tenha a sensatez de parar de jogar ténis com a cabeça da criança!!" Confesso que em tantos anos de profissão nunca tinha explodido assim (pelo menos às 09.30h da manhã!). Havia uma advogada que estava de olhos completamente arregalados, de tal forma que achei que a senhora tinha achado que eu tinha ensandecido de vez, mas não, queria dar-me os parabéns porque ela tencionava dizê-lo tantas vezes e nunca tinha tido coragem.
Para a semana o filme continua e tenho para mim que ainda assim as coisas não vão melhor!

Mercado Medieval de Óbidos 2015

Por estes dias andamos por aqui. Já sabem, a melhor companhia está na Taberna da Música do SMRO. Nalguns dias estarei a servir os fregueses, apareçam que eu pago a ginjinha!

Notícias de Espanha

O meu filho ao que parece deve estar com um problema na voz, só pode, só isso justifica o facto de não me telefonar. Lá me vou contentando com uns sms onde as palavras chaves são: "tudo bien ... adios ... pouca bateria" . 
Ai, riqueza da mamã que não sabe que a vingança maternal é soberana e que estas parcas palavras lhe vão sair tão caro. Deixa-o chegar a Portugal e vai tirar um workshop "Como optimizar a aspiração central na casa da mamã".

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Mi piquinito já estiá hablando espanholito

O meu filho já chegou a Espanha. Pelo menos já está em terra firme. Obrigada, obrigada, obrigada aos santos que me ouviram (venci-vos pelo cansaço, não foi?!). Agora resta esperar que corra tudo bem e continuar a tomar calmantes três vezes ao dia.

terça-feira, 14 de julho de 2015

. . .

O meu filho entalou um dedo numa tesoura ao final do dia. Até ir para os ensaios (por volta das 21.30h) esteve com gelo no dedo e dizia que as ramificações e artérias tinham ficado comprometidas porque o dedo estava inchado. A páginas tantas lembra-se "caramba, como é que eu toco o fá sustenido?! Este é o dedo do fá sustenido!!" E de repente todas as preocupações universais giram na incapacidade de sair um fá sustenido. Grécia, protestos, negociações políticas, sois uns meninos perante um fá sustenido! Curiosamente a nossa preocupação perante o dedo e o fá eram...zero! Este miúdo vai-me ter traumas, porque o seu lado hipocondríaco é de tal forma elevado que é profundamente cómico para quem assiste e literalmente avassalador para o próprio. Mas pronto, como dizem que o puto sai a mim, o melhor é não cuspir para o ar!

Spanish Tour

O meu filho vai para Espanha. Tour da Orquestra de 1 semana por terras espanholas. 1 semanita em que vou hibernar. E qui Dios Nuesso Sinhor mi ajude a não tilifonar a quiada 15 minuetos.

Não me apetece...

...nada. Não me apetece escrever, andar, respirar (o jeito que dava a alguma gente), falar, sorrir (o que significa que a coisa está mesmo muito mal), comer, beber, ... nada, mesmo nada!
O que é que me apetece mesmo? Que me deixem "sussugadita" no meu canto!

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Lição do dia (que aos 39 anos já deveria saber)

Ser honesto, humilde, tratar os outros como gostaria que me tratassem a mim, ajudar ... pagam-se tão caro! Porque quem distorce factos inocentes leva sempre a melhor, infelizmente.

quarta-feira, 8 de julho de 2015

O Casillas vai-me dar cabo das ancas

É que apesar de sportinguista devota, tenho para mim que a quantidade de vezes que irei comer umas francesinhas ao Porto são mais de muitas! Cedo percebi que o Jesus mantém o mesmo dialecto, o Bruninho o temperamento e portanto não nos vamos dar bem!

terça-feira, 7 de julho de 2015

Queridos directores dos conservatórios de música por este país afora:

Sonho o dia em que se vão organizar e prestar um servido de qualidade, no que toca à área administrativa. Já não se aguenta com tanto telefonema, com tanta troca de emails a desmarcar coisas para no fim ficarmos a saber as coisas no café. A malta paga (e não é pouco), as instalações são o que sabemos, e os administrativos deixam taaaaaanto a desejar. Filhos, orientem-se. Hoje, fizeram de mim uma pessoa transtornada. E não é bonito de se ver!

Eles estão impossíveis

Pai e filha estão do piorio, os astros deles estão desalinhados e andam com um humor de cão. Valha-me o meu filho que me vai abraçando e desabafando "Foge, já não se pode com estes dois!"

Eu vou avisando que estou farta, mas ninguém parece acreditar!

A educadora da Madalena ofereceu-lhe uma escova de dentes com música ... da Violetta.
Confesso que por muito amor que tenha à senhora, de manhã e à noite tenho-lhe momentos de ódio!

A minha filha só se mete em merdas...literalmente!

Há uns tempos atrás, no colégio, pediu a uma amiga para a ver a fazer cocó porque sua excelência tinha curiosidade em ver como é que o cocó saía. A outra fez-lhe a vontade só que não acertou no buraco da sanita. Para remediarem a coisa antes que a educadora se apercebesse puseram-se a limpar a obra de arte e o cenário não ficou bonito. Como é que eu soube disto? Porque ela se esparramou nos meus sofás brancos, calçada e diz "... bem, tenho os ténis todos sujos, mas não te preocupes que isto não é cocó de cão, é da M. ..."

Como se não bastasse, ontem diz-me que ficou muito orgulhosa porque ajudou uma colega com diarreia a limpar-se porque se tinha sujado toda!

Agora a sério?! Será que ela só se mete em merdas destas?!
... Para o que eu havia de estar destinada!

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Pedagogia Raminhos com aplicação prática

Recentemente percebemos que cá em casa o nosso método educativo é baseado no "modelo Raminhos". As loucuras com as Marias dele são as de cá de casa também. Um destes dias riamos que nem uns perdidos com as "Histórias para Adormecer". A Madalena como é uma abelhuda via também e apesar de não perceber nada, ria porque nos via rir. Mas, como esta mania de acharmos que os miúdos não percebem nada é pura ilusão, a tipa sabe a história de cor e reproduz na perfeição.
Claro está que lhe tivemos que dizer que a história tinha umas palavras que ela ainda não percebia, tal e tal e coiso.
Ontem ao final do dia fomos fazer uma caminhada pela praia, e quando estamos a beber um copo na esplanada o Joãozinho diz-me:"Mãe, temos de ir embora, estou cheio de cólicas. Acho que vem aí diarreia!"
Miss Abelhuda que tem imensa dificuldade em falar baixo: "Ai, não me digas que estás outra vez com gonorreia!"

O público na esplanada adorou!

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Constatações

Ontem cravei o meu homem para fazer umas coisas de gajo ao meu trabalho (encher uma piscina com compressor exige alguma complexidade à mente do mulherio) e se há coisa que ele adora é estar no meio da criançada. Passou o serão a comentar as expressões de um, os comentários de outro, como os putos são fantásticos, blá, blá, blá,... o entusiasmo era tal que até o mais velho já se ria às gargalhadas.
Olho para eles à distância e penso como as crianças dos outros são queridas, principalmente porque não as levamos para casa!

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Eu sei que ando insuportável...

... mas aqueles blogues onde tudo é perfeito dão-me conta dos nervos. Olhem para mim a pintar a casa com estilo, olhem para mim na praia e os miúdos do mais fashion sem um fiozinho de cabelo despenteado, olhem para mim só a passear-me pelos sítios mais in (enquanto não me mostrarem a conta do restaurante, continuo a achar que se sentaram para a foto e bazaram),... eu sei que já tinha falado desta minha relação de amor-ódio com alguns blogues que me mexem com as entranhas. É claro que saio deles com a mesma velocidade com que entrei, mas que me soam a trampa soam e não deixo de me questionar se vão viver a vida toda à custa de patrocínios. Respondam por favor, porque se for afirmativo eu também tenho uns putos giros lá em casa para pôr a render enquanto eu me estico no sofá!