quinta-feira, 30 de abril de 2015

Preciso TANTO de alguma coisa que ainda não sei bem o que é

Hoje ando com um humor de cão, com urticária, dores na cervical, um stress doido. Nesta fase deveria andar com um cartaz a dizer: "Estão a ver bem a minha cara? É favor não comunicar!" e reparem que utilizei a palavra comunicar, porque implica todas as formas de comunicação.
É claro que não ajudou o facto de hoje de manhã ter as galinhas em fuga a javardarem tudo por onde passavam e de ter apanhado uma procissão de tratores. É bonito o campo, não é?! Fuck it!
E depois os tornozelos do João que não há maneira de melhorarem e que o põe com um humor pior que o meu, birrento e embirrante.
E a amigdalite da Madalena que a põe varada de estar em casa.
E as hormonas do meu mais velho que me fazem sentir uma guarda fiscal, sempre em alerta.

Definitivamente, hoje não é um bom dia para se meterem comigo.

quarta-feira, 29 de abril de 2015

. . .

Ela ensandece-me, mas depois põe estes óculos parvos comprados na Claire's e é inevitável uma gargalhada.
Amo-te milhões ó doida!

. . .

Madalena: "Pai, tu tens 40 anos....? Ou é 41?"

Pai: "Não, o pai fez agora 42 anos"

Madalena: "E tu mãe? Tens quantos anos?"

Eu: "Tenho 39."

Madalena: "Xinapá, és muito mais velha que o pai. Vê-se logo!"

Durante a noite, assim pela madrugada, lembra-te de vir ter com a velha que levas um arrepio daqueles!

terça-feira, 28 de abril de 2015

No mundo de Dóri

Escreve a Bi acerca da sua memória de elefante. ainda pensei em responder-lhe, mas como ela é uma querida e vai passando aqui pelo barraco, vou dissertar acerca da antítese que vivo: a falta de memória.
Imagem viver num mundo onde as tuas memórias (passadas e presentes) são uma fumaça, onde a tua alcunha é Dóri do Nemo (entre tantas outras) porque andas sempre a apanhar bonés e não te lembras de metade das coisas que viveste e dos locais por onde passaste na tua vida. Tenho alturas em que me obrigo a uma introspecção até mesmo do dia anterior, esforço-me e ... é um vazio. Poderia estar a ser exagerada, mas não. Aqui há pouco tempo atrás fui a um homeopata, disseram-me que apertávamos uma barra em metal ligada a um computador e ali era feita a leitura do estado do nosso corpo. Para além das mazelas habituais, a preocupação do homeopata focava-se na minha actividade cerebral ligada à memória. Crente ou não neste tipo de medicinas alternativas, o certo é que é uma preocupação que me atormenta, esta coisa de não me lembrar de coisa alguma e de começar a adivinhar um quadro de demência na velhice.
Para organizar o meu dia não passo sem a minha agenda de papel onde anoto tudo e quando digo tudo é mesmo tudo (conversas telefónicas, lembretes, actividades, atendimentos,...) porque só assim consigo organizar esta mente desinquieta. Claramente que nada disto tem um lado positivo, mas a situação piora quando de quando em vez te deparas com pessoas de má fé que juram a pés juntos que já te disseram isto ou aquilo e que o problema é teu porque te esqueceste "para variar", e no meio disto tudo tu percebes que se estão a aproveitar de ti e desta combinação explosiva que é o meu cérebro.
Em termos familiares, já me consideram uma causa perdida. Dizem-me as coisas quase em cima da hora (o que me irrita profundamente) e justificam-no com o "se te tivéssemos dito há mais tempo já não te lembravas."
Onde é que vou buscar as minhas memórias? Aos cheiros. Sempre que me deparo com um cheiro fico felicíssima (ou não) porque me transporta para as memórias. No dia me que estiver constipada ...  azareu! 
Sou portanto uma pessoa de frustrações, tenho é uma particularidade que me ajuda imenso: a capacidade de me rir de mim própria e levar as coisas com uma grande descontracção e estupidez natural.

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Dizem que o arzinho do campo faz bem ... o tanas!

A Madalena está novamente de molho: amigdalite. 
Começo a ficar desconfiada que a miúda fez um acordo com uma farmacêutica qualquer e eu ainda não dei conta que num qualquer paraíso fiscal existe uma conta bancária em meu nome onde pinga dinheiro a cada doença. Fónix, estou rica!

Até lá, vou só ali uivar um bocadinho e já me recomponho!

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Esta família é um fenómeno

Mada: "Estou confusa, não sei quem eu sou...". 

Eu: "Mas não sabes como? És a Madalena que vai fazer 6 anos, tens um pai, uma mãe, uma mano e uma cadela... é isto? Andas com problemas de memória?! Sei lá, de vez em quando esqueceste é isso?"

Mada: "Não, eu não sei quem sou. Tenho um corpo e uma cabeça com cérebro, mas depois não sei quem sou"

(Ai credo, Nosso Senhor me ajude que ainda é muito cedo para estas coisas, agora como é que me desenrasco desta?)

Eu: "Tu quando te vês ao espelho reconheces-te, mas é só nessa altura em que te vês. O resto do tempo pensas, sentes e tens comportamentos porque és tu, a Madalena."

Mada:"Se calhar é melhor eu ir ver o Aladino e depois conversamos"

Resposta do irmão que assistia a tudo isto boquiaberto "só te digo, esta miúda é passada!"

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Esta boquinha que mais parece um chocalho

Então é o seguinte: vou buscar a criatura mais nova à escola e ela entra em histeria porque basicamente não queria vir para casa. Está em tal pranto no baloiço que me sai em voz alta "esta era a queca em que devia ter usado preservativo!". A seguir ouço uma gargalhada, e outra, e mais outra. As educadoras ouviram, e as auxiliares, e uma mãe, e julgo que um pai também ...
Porque é que eu nunca mais ganho juizo?!

Srs. da Chronopost e da Seur ... batem forte cá dentro!

Quase todos os meses faço compras online: ração da cadela, o creme que estava em promoção para sei lá o quê, whatever... e sempre que tenho de escolher a transportadora escolho sempre a Chronopost e a Seur. Motivo: quem faz as entregas nesta zona são sempre os mesmos senhores, brasileiros por sinal, e que são de uma simpatia que é qualquer coisa. Há um que desde que descobriu onde eu trabalho nunca mais veio entregar coisas a casa porque diz que lhe fica mais em caminho, vai ao meu gabinete, fala com os meus utentes, espera por mim mesmo que eu esteja do outro lado do edifício e faz questão de carregar a encomenda para o carro.  O outro pergunta-me pela família, chorou quando a cadela morreu, conta-me histórias hilariantes do seu trabalho e às vezes quando não tenho troco diz para eu não me preocupar "que Deus é Grande e com uma cara dessas a vida vai-te sorrir, senhorita". Com isto tudo, não sei o nome de nenhum deles, mas que são uns figurões de boa disposição lá isso são! Hoje, foi dia de entrega e já ri tanto que já me saiu um "Bem haja meu cara!"

Compro dias de férias

Dizia-me uma colega que um amigo do irmão do cunhado que vive na Bélgica é pago pelos colegas para trabalhar. Eu explico: na empresa onde trabalha é permitido aos funcionários fazerem troca de férias uns com os outros por dinheiro. Ora vejamos: eu quero um diazinho de férias e vou pedir à Maria Joaquina que trabalhe aquele dia por mim e pago-lhe. Dizia ela que, à custa destas trocas o amigo do irmão do cunhado farta-se de ganhar dinheiro. E enquanto ela contava isto eu só pensava como viveria tesa, mas sempre de férias. 

A Rosinha vai a todas

Eu e uma grupeta de colegas dados à parvoeira andamos numa de Rosinha. Quem não conhecia ficou a conhecer, e quem conhecia ficou a perceber que até os mais sonsos já tinham a concertos da dita. O perigoso é que depois ficamos com a música no ouvido e lá vamos trauteando durante o dia, a maior parte das vezes em momentos impróprios. 
Só para vós, aqui vai a nossa musa inspiradora:


quarta-feira, 22 de abril de 2015

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Hoje estou virada (ou irada) para a adolescência ...

E aquele comportamento tão típico de se achar que o mundo gira em torno do umbigo deles e que TO-DA a nossa vida tem de ser organizada em torno de suas excelências?! Horários, ensaios, saídas com os amigos, encontros com a namorada, trabalhos de grupo,... TU-DO tem de ser gerido em função dos senhores. Juro, a sério que estou possuídinha de todo. Palpita-me que hoje aprende uma liçãozinha para ficar a perceber que eu não sou serviço de táxis! Ai-ca nervos!

Eheheh

-"Mãe, os homens 'musculaços' (adoro!) têm um corpo grande e uma cabeça pequena. Aposto que devem pensar menos que as outras pessoas!"

Sorry, a gargalhada foi inevitável!

Esta só mãe de adolescente me poderá entender

As saudades que uma pessoa tem de mandar um belo de um amasso sem termos a sensação que do outro lado da porta está alguém de ouvidos bem apurados!

Adolescência e hormonas ... um sério problema de gestão!

Dos outros dias ... os raros

Em que só tens vontade de chorar, porque algo que nem percebes muito bem o que é, mas que te provoca uma explosão de lágrimas. Daqueles dias em que chegas a casa e o nível de adrenalina baixa e desabas. Não te apetece falar, nem tão pouco reagir. E o mais estúpido de tudo, é que se reflete em quem mais amas. E é tão estúpido. Odeio estes dias, que felizmente são poucos.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Se calhar já ias dar uma volta ao bilhar grande, não...miúda?!

- "Bem, estás a ficar velha! Tens aqui umas linhas na cara que parecem a avó."

- "Aquele homem está todo 'musculoso', o pai não. Porque é que quiseste casar com ele?"

- "Sabes que os morangos engordam?! Andas a comê-los e depois olha, ficas com o rabo grande!"

-"O teu cabelo tem várias cores de amarelo. Umas são giras outras são feias!"

-"Aquela senhora da novela é muito gira. Tu também és, só que tu tens cara de mãe!"

Esta criatura, dona de uma língua poderosa, diz-se minha filha. Aposto que na maternidade foi trocada por uma miúda gira que está sempre a elogiar a mãe... vou começar a procurar no google!




quinta-feira, 9 de abril de 2015

Homem doente = a mulher a parir

Eu acredito que ele tenha imensas dores. Acredito que deva ser horrível ver-se incapacitado para fazer o que quer que seja, afinal foram logo os dois pés e a médica que o assistiu garantiu que era preferível tê-los partido que torcido! Segundo o próprio, as sessões de fisioterapia são do demo, e eu também acredito. Mas santíssima paciência para quem tem homem doente em casa!
E depois existe aquele pequeno grande pormenor da lei da atracção, tudo esbarra nos pés do coitado: ora  a Madalena vai a correr e o pisa, ou o João se atira para o sofá e o pé do desgraçado já lá estava, ou sou eu que a meio da noite lhe dou um safanão, ou é a cadela,... todo o mundo ajuda!
Agora vos digo, já tinha parido um puto e feito a recuperação pós-parto! 
Até lá: inspira, expira, inspira, expira.

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Só mais um incidente... nada de novo, certo?!

O João abre o portão de casa e, sabendo que a Madalena já tinha alta médica, dá de fazer macacas para festejar o feito. Eu estaciono o carro e ouço-o dizer "Mada, vamos de férias!". E nisto, a criatura salta de um lancil com cerca de 30 a 40 cm e cai...torcendo os dois pés. Repito: os dois pés. Que a esta hora estão imobilizados, a gelo e voltaren.
Agora questiono: qual a probabilidade disto acontecer às pessoas normais? Deve ser 1 em milhões, sei lá. Para nós... é o prato do dia.
E pronto é isto, gostaria que argumentistas entrassem em contacto comigo por gentileza, é que está mais que provado que esta casa dava série de sucesso.

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Dos gestos que cuidam

Ontem ao final do dia a Madalena regressou novamente à pediatra para avaliação do estado clínico. Depois de muito tempo a auscultá-la, a médica abraça-a, sorri e diz-lhe baixinho "já estás boa!" e continuou ali a abraçá-la... Naturalmente que só me apeteceu agarrar na senhora e trancar-lhe uns valentes beijos, mas contive-me.
Obrigada às pessoas que, como esta médica, cuidam com a alma e o coração!