quarta-feira, 10 de maio de 2017

Festival da Canção 2017

À custa do Salvador Sobral (para quem vai uma vénia do tamanho do mundo) os meus putos tomaram contacto com a famosa e mítica canção/genérico do Festival da Canção. E ali estivemos em loop a ouvi-la até eles se fartarem. Ai Sobralinho, o que fizeste por nós não tem preço! Vai-te a eles, caraças!

Limão, o garanhão

A dias da vinda do Papa Francisco a Portugal aguardo intervenção divina cá em casa. Sim, bem sei que não devia brincar com coisas sérias, mas a verdade é que se uma qualquer divindade pudesse intervencionar junto da libido do meu Limão esta família era tão feliz! O cenário é o seguinte: eu tenho duas cadelas, ambas com o cio e, vai-se lá saber porquê (really??), o canito não as larga. Como elas são gigantescas e ele ainda não domina a anatomia, é ver o coitado a ganir meio tempo e a uivar  outro restante entanto tenta trepar para a boca delas!! (não perguntem... ou é fetiche ou tem a haver com a nossa lacuna na educação sexual do rapaz!). Ora a isto sucedem noites e dias nesta lamuria em que o jovem não deixa ninguém dormir. Sim, que o gajo é pequeno mas chega para aviar as duas!
O primeiro alerta veio dos meus pais a quem nós pedimos para ficarem a cuidar da casa para nós tirarmos umas mini-férias, a minha mãe ainda escapou porque meteu uns comprimidos para dormir no bucho, mas o meu pai andou azambuado o tempo todo. Quando regressámos o cenário continuou e tem sido um desespero constante. Tenho para mim que pequeno Limão vai à faca, sem conhecer os prazeres da carne. Temos pena, mas entre isso e a loucura a que estamos todos a avistar ... parece-nos uma solução a considerar!
Sim, bem sei que antes de o adoptar devia ter tido isto em conta, mas na altura só queria mesmo era dar-lhe um lar, relembro que a ex-dona dele engravidou e depois já não o quis mais! (fofa!!) e nem pensei neste pequeno grande pormenor de diferença de género que me viria a atormentar dias e noites sem fim! Há por aí algum santo dos animais que acorra a situações destas? Agradecida!

terça-feira, 9 de maio de 2017

Eu, os meus dedos e as redes sociais: um azar nunca vem só!

Eu sou aquela pessoa que clica um like na foto do primo da amiga e depois não o consegue tirar.
Eu sou a pessoa que pelos vistos pede amizade a pessoas nunca antes vistas e só dá conta quando recebe a notificação de que muito gentilmente a criatura acabou de se amigar comigo.
Eu sou a pessoa cujos dedos grossos e pesados bloqueia teclas e reencaminha os mais disparatados posts.
Eu sou a pessoa que, em plena crise de insónia, decide ignorar toda esta probabilidade para o desastre e ainda assim vai para as redes sociais passear os seus acidentais dedos.
Eu sou a pessoa que, por este caminho, estou a curtos passos de ser bloqueada por pessoas de bem que do outro lado do ecran pensam (e com toda a propriedade) "mas esta gaja agora põe-me likes na foto do meu Toino Manel porque carga de água!?"

Pessoas, a vós peço perdão. A culpa são destas ganfias a que chamo de dedos e que mais parecem que estão a lavrar. Quando menos espero já a coisa se deu e eu já carreguei onde não devia e depois na tentativa de emendar carrego ainda em mais botões e a merda vai aumentar qual etar descontralada.
Desculpem lá qualquer coisinha!

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Enquanto espernear estou viva!

Sempre lutei pelos outros, fossem por causas, por pessoas com nome e rosto, por ideais, valores, princípios. Nunca lutei por mim. E admitir isto é assim uma misto de vergonha com cobardia é verdade, mas foi preciso bater bem fundo, para me darem a mão, me enxugarem as lágrimas e dizerem: "isto vai doer, mas a luta agora vai ser por ti!". E assim tem sido. Estes últimos meses têm sido dos mais duros da minha vida, mas ganhei uma certeza: a vida pode dar as voltas que der, pode-nos separar, pode-nos fazer tomar rumos diferentes, mas neste momento, meu Deus, és o melhor companheiro que eu poderia ter. Obrigada pela protecção! E sim, esta é uma declaração de amor!

Ó pá... desculpem lá qualquer coisinha!

Então não é que até parece que há gente que gosta da insanidade que povoa este burgo e que me escreveu a perguntar se aqui o hospício já tinha fechado? Ah suas coisas mais fofas!! Não!!!! Nada temeis. Andei com as minha crias atreladas (essas putas dessas férias que pareciam que nunca mais acabavam) e entediei ao ponto de não conseguir ter força sequer para teclar.
Pois que regressada, mas não revigorada (entenda-se) cá estou eu: ó pra mim! Com uma neura do caraças porque como se não bastasse todo o contexto "férias escolares" comprámos um teclado ao mais velho para que o gajo pudesse fazer um up-grade nos jogos on line, mas que depois para escrever vejo-me grega porque desconfigura tudo, os acentos não são no sítio certo, as pontuações também não, de modos que ando aí a apanhar bonés com este c#$%lho deste teclado. Pronto é isto, conforme, podeis atestar, continuo na mesma: desbocada, sem filtro, pouco convencional, feliz que só eu!

Mas pronto, estas férias deram para descobrir uma novidade: os putos abeiram-se de mim em modo supermercado. Passo a explicar: quando se queriam fazer ouvir cada um punha o dedo no ar, mas isso já não estava a resultar porque depois eu via um e depois o outro ainda não tinha terminado e voltava a pôr novamente o dedo no ar e quando passava a vez do outro já o tema não fazia sentido ou o pobre coitado se tinha esquecido. Vai daí eles criaram o método supermercado que consiste basicamente em porem-se atrás de mim, tipo fila de supermercado. Parece simples. Mas não, não é. Primeiro porque não há caixas prioritárias e a Madalena quer evocar o direito à prioridade e depois porque significa que eles andam literalmente atrás de mim. Mesmo. MESMO!!!! Aí eu tenho de definir um tempo para o atendimento e não há como passar à frente do cliente. O pior: é que até o meu marido já se mete na fila!!!!

Querem mesmo que vos volte a explicar o motivo da minha ausência no blogue? Ah, bom!!

quinta-feira, 9 de março de 2017

Manter a distância de segurança

A vida dá umas voltas tremendas e precisas de estar muito atento para que possas retirar ensinamentos das experiências, sejam boas ou más, por que passas. Assim o faço e procura cada vez mais que assim o seja. Este conhecimento interior que me leva tantas e tantas vezes a um detox emocional. Ao ler o blog da Sofia de Castro Fernandes não podia concordar mais com isto:

« mantém uma distância de segurança de pessoas tanto-faz, de pessoas temos-que-combinar-qualquer-coisa, de pessoas estava-se-mesmo-a-ver-que-isso-não-ia-correr-bem, de pessoas eu-bem-te-avisei, de pessoas a-mim-tudo-acontece, de pessoas a-culpa-não-é-minha, de pessoas o-problema-não-és-tu-sou-eu, de pessoas vai-se-andando, de pessoas se-a-minha-vida-fosse-mais-fácil, de pessoas-que-te-trazem-um-problema-para-cada-solução, de pessoas eu-nunca-me-arrependo-de-nada, de pessoas eu-sou-como-sou-e-não-vou-mudar, de pessoas tu-é-que-sabes, de pessoas depois-não-venhas-para-cá-chorar, de pessoas-se, de pessoas-mas, de pessoas-talvez, de pessoas não-sei, de pessoas-nó. mantém uma distância de segurança de pessoas que só passam pela tua vida para te ensinar a não ser como elas. » 

. . .

Sábado de manhã, no mercado:

Pai - "Mada, cheira estas especiarias. Respira, absorve os cheiros e diz-me o que é que vais reconhecendo!"

Madalena (logo muito pronta) - "Funcho!!!"

Pai - "Que espectáculo. Conseguiste identificar à primeira!"

Madalena - "Não! Está ali escrito «Funcho»!"

quinta-feira, 2 de março de 2017

Bem-vindos 41!

E pronto, num piscar de olhos já cá moram 41 frescos aninhos!
O último ano deixou mossas valentes e foi duro, muito duro! Mas a verdade é que nós aprendemos com as nossas experiências (mais fácil seria se aprendêssemos com as dos outros, mas catano, não seria a mesma coisa!) Resta-me portanto desejar que persista com esta minha mania de ser feliz e a propague para os que me rodeiam, como se de uma religião se tratasse.

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Mais uma voltinha

São seis da tarde. Olho para o céu e parece-me tudo tão bonito, aperto a mão do meu homem e digo num tom melancólico "Olha, hoje está lua cheia!" ... e da imagem romântica e apaixonada de uma lua dos amantes solta-se uma gargalhada "Obrigada por existires, porque sem ti isto não tinha piada nenhuma...é que aquilo é o sol a pôr-se!!!"


Pró infinito e mais além, meu grande Amor!

O meu filho fez ontem 17 anos! 17 anos! Qualquer consideração sobre ele seria pequena comparada com a grandiosidade de ser que ele é. Qualquer apontamento ficaria muito aquém daquilo que sinto. Por isso limito-me a agradecer (muito, muito, muito) todos os dias por ter a oportunidade de ser tua mãe e peço a todos os santinhos que sejas estupidamente feliz. És a prova do amor no seu estado mais puro. Amo-te tudo e sempre meu querido ... pro infinito e mais além!

Foto de João Laureano.💗

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

E pronto, é isto!

Madalena - "Mãeeee, quero tantoooo ir ao circo!"

João - "Para quê mana?! A nossa casa é igual e não tens de pagar bilhete!"


segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Das coisas que mais gosto desta casa de campo?

As enormes janelas abertas e os cortinados a esvoaçarem. Lá fora um enorme manto verde e cá dentro o som da lareira a crepitar (que é acendida não tanto para aquecer, mas só porque sim) e depois penso que de todas as visões cinematográficas esta é a minha preferida!  

Sou uma fácil, é o que é

Estava combinadíssimo com a uma das minhas BFF "vamos à festa, mas nada de álcool!", no fundo reunimos um conjunto de argumentos que sustentavam esta teoria, sendo que o "acabamos sempre a noite bêbedas que nem um cacho" ganhou superiormente sob todos os outros. Pois que bastou pôr um pé, um pézinho na festa e ao primeiro abraço já tinha um copo de gin na mão! Dá para perceber que sou uma vendida e que ando com más companhias?!

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Autorizadíssimos a darem-me um estalo

Da próxima vez que me passar pela cabecinha a triste ideia de ir jantar fora no dia dos namorados... espanquem-me! Pior do que o cenário dantesco de sair à noite neste dia, só mesmo fazê-lo sem reserva prévia de mesa e levar por arrasto os miúdos e a namorada do mais velho. No único restaurante disponível, a comida chegou à mesa às 22.30h quando a Madalena já dormia! Fora a angústia de ver a miúda a dormir no restaurante, agravava-se a culpa de saber que estava cheia de fome e tinha teste no dia seguinte. O João, que se tinha levantado às 03.30h da manhã, tinha umas olheiras até ao queixo e fazia um esforço tramado para abrir os olhos. A pobre da namorada do meu filho já nem conseguia articular as frases correctamente tal era o sono que tinha, quando a sobremesa chegou lá para os lados da meia-noite. De modo que é isto: batam-me!!

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Batata #475948 and counting

Acabei de ficar sem um único enfeite de Natal! A Batata apanhou uma abertura do portão da garagem e lançou-se ferozmente à caixa das decorações da árvore de Natal ... De modos que durante a meia hora em que andei de rabo para o ar a apanhar os restos mortais de bolas, anjos e trenós usei de todo o vernáculo que conhecia, desconhecia e pedi emprestado! Ontem, havia plástico e esponja espalhados por todo o lado, foi-se a um tubo do painel solar e esfrangalhou aquilo tudo! À volta da garagem estavam duas toalhas de banho completamente rasgadas ... A par disto, a tipo está enorme e já contam uns belos 70 kg pelo que posso garantir com toda a propriedade que mais vale fazer criação de vacas!!

Adora pessoas que subestimam a minha capacidade de apertar pescoços!

-"Olá, estás boa?! Estás mais gordinha!!! Sabes que eu vendo herbalife... se quiseres..."


Esta está mesmo a pedi-las!!

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

E se eu vos disser que, poucos dias se passaram desde que recuperei de uma gripe péssima e ... volto a apresentar sintomas de nova gripe!!!
À pessoinha que utilizou de forte macumba para cima da minha pessoa, peço que gentilmente alivie um bocadinho a carga. É certo que esta maleita contribui em muito para a economia nacional - a CUF adora-me, a Renova bate palminhas e a indústria farmacêutica também - mas de facto trata-se da sanidade mental de toda uma família que já está fartinha de me aturar e corro o risco de caminhar para a indigência. De maneiras que é isto, um apelo sentido à solidariedade e ao coraçãozinho fofo do autor desta trampa!

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Ainda em modo "Belhéc"!

Estou há uma semana doente. Há uma semana com dores em todo o lado, sendo que as dores de ouvidos suplantam todas as outras. Estou há demasiado tempo a sentir-me doente, com cara de doente, com cabelo de doente, com fedor de doente. A minha solidariedade está com as pessoas que estão verdadeiramente doentes, porque isto é só uma gripe da treta que me deu forte e feio, mas reconheço esta canseira em estar doente. Uma dor imensa ali entre ombro e o pescoço (acho que se chama trapézio) que chega a ser incapacitante e me dá uma neura descomunal. Estou há demasiado tempo queixosa, farta de mim mesma. Eu própria já não consigo ouvir-me, sempre na lamúria. Estou belhéc! Sem piadinha nenhuma à espera que no dia seguinte já esteja um bocadinho melhor. Entretanto passei as bichezas ao meu pai e a minha mãe teve de retornar à base (pobre coitada que anda aqui numa fona com esta gente toda envirusada) e fiquei a arrastar toda esta gestão como posso! Só vos digo, a hibernação é a minha cena!

domingo, 29 de janeiro de 2017

Gripe A, B, C, D,...

Um gripe do demo deitou-me ao chão tipo pugilista desenfreado! Estou KO, literalmente! Dores de ouvidos, febre, dores no pescoço e cabeça, tosse, muita tosse, ranhoca, ... Filha da mãe de uma gripe que me arrasta para a cama desde quarta-feira à tarde! Um bem-haja imenso à minha mãezinha que se mudou de malas e bagagens para pôr termo ao caos em que a minha casa se encontrava e dar-me canjinha, cházinho e chocolatinhos... Desta gripe com nomenclatura alfabética retiro aquilo que retiro de tudo o que a minha vida me dá: Amor!

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

O meu colo é teu

Depois de deixarmos o irmão na escola, ela começa a queixar-se que lhe dói o ouvido. Reconheço-lhe a manha, o cansaço, a necessidade de colo e hoje, só por hoje, cedo-lhe à vontade e poupo-a ao afamado discurso acerca da importância da escola. Hoje, só por hoje, rumamos a casa juntinhas, voltamos a vestir os pijamas e acendemos a lareira num aconchego que é só nosso.